Botucatu começa o fim de semana sem combustível e com medo de desabastecimento geral

A Greve dos caminhoneiros chega nesta sexta-feira, 25, com muita apreensão em Botucatu. Nesta quinta-feira, dia 24, houve falta de combustível em muitos postos da cidade.

Na prática o movimento continua. A dificuldade para que caminhões de abastecimento cheguem até o município, aliada a alta procura de motoristas aumentou a tensão por parte de motoristas e empresários de combustíveis.

Os postos que ainda mantinha um estoque de combustíveis concentravam enormes filas e o cenário deve se repetir ou até mesmo piorar. O congestionamento dos postos atrapalhou vias importantes da cidade como Floriano Peixoto, Rua Amando de Barros e Vital Brasil.

Para esta sexta-feira, os postos sem combustíveis em Botucatu continuarão com seus funcionários de braços cruzados e os demais deverão liquidar seus estoques. Há relatos de aumento substancial de preço em alguns postos de Botucatu e região.

Um motorista de caminhão, que pediu para não se identificar, disse temer pela integridade ao cruzar as rodovias com o caminhão tanque. “Está difícil, não conseguimos fazer esse trajeto da distribuidora até os postos, somos impedidos e ameaçados pelo movimento grevista”, disse.

Os empresários afirmam que não estão conseguindo receber combustíveis. Por conta das barreiras colocadas em rodovias cruciais, caminhões não chegam ao seu destino. Nos postos Berimbau, por exemplo, maior rede de Botucatu, não há mais gasolina, apenas etanol, mas a demanda novamente deve ser grande.

O combustível está em falta em todos os postos de Botucatu e região. Não há mais combustível em São Manuel e na Rodovia Marechal Rondon, as poucas bombas com combustível o preço foi elevado de forma brutal.

O transporte de funcionários das grandes empresas como Caio-Induscar, Duratex, Eucatex, Embraer, entre outras, pode ser prejudicado nesta sexta-feira. As empresas que fazem o transporte também passam por dificuldade e o combustível deve durar poucos dias.

Supermercados em Botucatu

Nos supermercados, a situação ainda não é desesperadora, ainda. Pelo bom jornalismo, o Acontece Botucatu fez contato com três grandes redes de supermercados da cidade. Jaú Serve, Confiança e Central afirmaram que não há desabastecimento em suas lojas.

A preocupação, assim como em todo o país, é com relação aos Hortifrútis, que não estão chegando. A situação pode ficar crítica em três dias caso a greve não acabe.

Os caminhoneiros querem diminuição dos tributos sobre o diesel e tabela de preços para o frete. O Brasil depende muito das rodovias para transportar bens, pessoas e produtos, como matérias-primas e insumos como os combustíveis. A paralisação atingiu os processos logísticos de itens básicos.

Acordo???

Governo e representantes de sindicatos anunciaram um acordo em Brasília no final da noite, mas a greve continua. O representante da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, negou o acordo proposto pelo governo de suspender a paralisação por um período entre 15 dias a um mês enquanto o governo continua trabalhando para reduzir o preço do diesel.

Prefeitura de Botucatu decreta estado de emergência

A Prefeitura de Botucatu realizou na quinta-feira, 24, uma reunião de emergência com representantes das principais Secretarias com maiores frotas do Município, para tratar do desabastecimento nacional. Um representante das empresas de transporte coletivo também esteve presente.

O Prefeito Mário Pardini decretou estado de emergência para garantir serviços essenciais da Cidade, como transporte de alunos, merenda escolar, SAMU, ambulâncias e viaturas da Guarda Civil Municipal, visando o contingenciamento de combustíveis frente ao desabastecimento de insumos e produtos.

“Botucatu não vai parar. Vamos buscar soluções e alternativas para que a população não sinta os reflexos dessa crise, principalmente nas áreas de saúde, segurança e educação. Vamos parar alguns serviços administrativos e obras que podem esperar alguns dias e direcionar todos os recursos para essas áreas principais”, disse o Prefeito Mário Pardini.

Pardini cobrou medidas das empresas que operam o transporte coletivo para que o serviço não sofra alterações.

Ajuda externa

Diante das dificuldades, o Prefeito solicitou ajuda de empresários do ramo do transporte, que estão com a frota parada por conta da greve dos caminhoneiros. José Geraldo Batista da Silva, o Geraldinho da Aquariun, que hoje comanda a transportadora Phenix, colocou à disposição todo o estoque atual de diesel da empresa, para que a Prefeitura possa abastecer emergencialmente os veículos essenciais.