Barreira sanitária para testar turistas tem fila de até quase 2h no litoral norte de SP

Na sexta-feira (26), primeiro dia da ação, prefeitura aplicou 459 testes e identificou 19 infectados pela covid até às 18h. Eles tiveram que voltar para cidade de origem. Gestão também instalou tapumes de metal nos acessos às praias. Bloqueio segue neste sábado.

A barreira sanitária para testar turistas contra a Covid-19 em São Sebastião, adotada para desestimular a ida à cidade no Litoral Norte de SP durante o feriado estendido na capital, chegou a registrar fila de cerca de 2h nesta sexta-feira (26), primeiro dia do bloqueio. A atividade segue neste sábado (27) e domingo (28).

De acordo com a prefeitura, até às 18h foram aplicados 459 testes que identificaram 19 infectados pela covid. Eles tiveram que voltar para cidade de origem. A ação tem equipes da Vigilância Sanitária, Guarda Civil Municipal e da Polícia Militar.

Trabalhadores que atuaram nas barreiras também registraram queixas pela demora e chegaram a ser registradas discussões.

Foram fechados os acessos às praias, mas houve casos em que as barreiras com tapumes de madeira e de metal foram estouradas. A gestão não tinha um levantamento de quantos casos foram registrados até a publicação da reportagem.

O acesso às praias está proibido em todo Estado devido à fase emergencial da quarentena, que foi estendida até 11 de abril. Além dos tapumes, faixas alertam para a proibição de estacionamento na orla e sobre a regra da fase mais restritiva do Plano São Paulo.

Foram fechados os acessos às praias de Maresias, Boiçucanga, Cambury, Barra do Una, Baleia, Barra do Sahy e Juquehy. As praias, todas da Costa Sul, são as que mais atraem turistas.

Restrições

São Sebastião adotou diversas medidas para evitar a circulação de pessoas durante o feriado antecipado em São Paulo.

Além da barreira, que orienta a quem testar positivo voltar para a cidade de origem e permanecer em isolamento domiciliar, a gestão também proibiu a abertura de áreas comuns de lazer, como piscinas e churrasqueiras, em condomínios da cidade como forma de coibir aglomeração. A medida prevê multa em caso de descumprimento que variam de R$ 140 a R$ 14 mil.

Na rede hoteleira, os hóspedes devem apresentar um teste negativo do tipo RT-PCR realizado até 48 horas antes da visita à cidade.

Colapso

São Sebastião foi a primeira cidade do litoral a anunciar colapso na rede de saúde. O anúncio foi feito após o anúncio de fase emergencial, quando a cidade passou cerca de uma semana com a UTI em capacidade máxima.

Além da ocupação, a cidade também chegou a ter níveis críticos de medicamentos para intubação de pacientes na UTI. A situação foi amenizada após o Estado enviar um lote com sedativos.

De acordo com a prefeitura, a cidade tem 20 leitos de UTI e não tem capacidade de habilitar novos leitos de cuidado intensivo porque faltam médicos. Atualmente, há 13 pessoas em leitos de UTI, dos 20 disponíveis. A cidade tem 7 mil casos confirmados e 91 mortes pela doença.

Fonte: G1