Após briga judicial, grupo reassume empresa de ônibus São Dimas em Botucatu

Foto: Arquivo Acontece

Um imbróglio jurídico que tem Botucatu como pano de fundo. A São Dimas Transportes Ltda., reassumiu no mês de janeiro após decisão judicial o lote 02 do transporte público em Botucatu. Os ônibus com a nomenclatura São Dimas na verdade eram de outra empresa, a Reta Transportes. Complexo, não é? Mas existe explicação.

A São Dimas vendeu, em março de 2015, a integralidade de sua participação na empresa Reta Rápido Transportes Ltda., deixando de operar na cidade de Botucatu. Porém, os administradores da Reta Rápido continuaram a utilizar, indevidamente, o nome da São Dimas no período entre a data da transferência da empresa e a presente data.

A atitude configurou descumprimento contratual, que, somados a outros motivos, levaram a São Dimas Transporte a tomar as medidas judiciais. Em janeiro deste ano, o Poder Judiciário do Estado de São Paulo autorizou a São Dimas Transportes a retomar o controle integral da empresa Reta Rápido Transportes e, como consequência, da operação das linhas do Lote 02 em Botucatu.

“A São Dimas Transportes está de volta à administração exclusiva da Reta Rápido Transportes, já tendo empreendido ações para a melhoria dos serviços prestados à população, como a manutenção corretiva e preventiva dos veículos em operação, a colocação de toda a frota em atividade e futura renovação de parte da frota, de forma atender da melhor forma possível à população de Botucatu”, disse e empresa em nota.

Mas a situação continua sendo complexa. Como em dezembro de 2016 o então prefeito de Botucatu João Cury anunciou o rompimento com as duas empresas do Transporte Público, a linha que era operada pela Reta Transportes foi alvo de quebra de contrato. Como o serviço não estava sendo operado pela Reta Rápido, grupo que opera a São Dimas, o jurídico da empresa deverá se movimentar para recuperar o contrato.

O grupo que venceu a pendência judicial já está atuando na cidade e, segundo informações da empresa, não haverá demissões durante a troca de comando dos negócios em Botucatu.

Atualmente a questão do rompimento do contrato esbarra em prazos jurídicos e o término do caso está longe de ser resolvido. A reportagem do Acontece Botucatu não conseguiu localizar os proprietários da Reta Transportes, grupo que perdeu a propriedade do lote da São Dimas.