Apape realiza formatura do projeto de Equoterapia nesta quarta-feira, dia 22

 

Projeto da APAPE atende 35 praticantes por ano

Nesta quarta-feira, dia 22, a partir das 8h00, ocorrerá o encerramento das atividades e formatura de dezenas de alunos de Equoterapia e do Projeto ‘Passarinhando’, uma parceria entre a Apape (Associação de Pais e Amigos das Pessoas Portadoras de Necessidades Especiais), Cempas e Biologia da Unesp.

O evento ocorrerá no Centro de Equoterapia da Apape, nas dependências do Sítio São José. O local, dotado de toda estrutura para a prática da Equoterapia, fica próximo ao loteamento Califórnia, em Rubião Júnior.

Estarão presentes representantes das entidades parceiras, além de voluntários do projeto e familiares de dezenas de praticantes que encerrarão suas atividades. Haverá brincadeiras, teatro, entre outras atividades para os praticantes.

Equoterapia na Apape

O trabalho de equoterapia na Apape foi implantado há aproximadamente 10 anos. Anteriormente, os praticantes realizavam as terapias ao ar livre, não tendo uma cobertura que os protegesse do sol ou da chuva.

No ano de 2008, com o apoio do Instituto Pró Vida, a instituição recebeu a doação de parte dos materiais de construção necessários para o início das obras de um local apropriado para as atividades. Mas a dificuldade em conseguir mão de obra fez com que esse sonho fosse adiado por longos anos.

Já em abril de 2016 enfim o sonho foi realizado. Agora, o novo centro conta com aproximadamente 2 mil metros quadrados de área construída, pista coberta de  400  m2, uma pista ao ar livre de 1.750 m2, sala de atendimento, dois banheiros totalmente adaptados, cozinha, selaria, depósito de feno, oficina e pátio de recreação. O projeto também leva em conta conceitos de sustentabilidade, como reaproveitamento da água da chuva.

Profissionais

O trabalho em Rubião Junior é coordenado por duas profissionais, a coordenadora de equitação Flávia Teixeira e a fisioterapeuta Silvana Garcete. Antes de inaugurado, o projeto do Centro de Equoterapia esteve em curso por vários anos.

Para Vitor Quinteiro, fisioterapeuta da APAPE há quase 10 anos, o método é uma esperança para os pacientes assistidos pela entidade. “A Equoterapia melhora a parte motora do paciente, melhorando o equilíbrio, para a partir então ter uma recuperação mais acelerada. Estamos muitos felizes e com uma expectativa muito boa” disse Quinteiro.

Segundo Flávia Teixeira, a equitação traz muitos benefícios aos praticantes. “O trabalho com cavalos beneficia pessoas que possuem dificuldades de aprendizagem, hiperatividade, dislexia, déficit de atenção e problemas de comportamento, tais como conduta de agressividade ou dificuldade de socialização. Como se trata de pessoas com deficiência, é elaborada para elas uma proposta de trabalho diferenciada e voltada à reabilitação, coordenação, equilíbrio e estímulo da autoconfiança”, explicou Teixeira.