Adolescente vende pães por um ano, junta dinheiro e consegue comprar piano

Raul Sá, de Jundiaí (SP), trabalhou durante um ano para conseguir juntar os R$ 8 mil que precisava para comprar o instrumento.

Há um ano, Raul Sá, de 13 anos, colocou uma ideia na cabeça: comprar um piano. Para conseguir o dinheiro que precisava, optou por um caminho diferente e passou a vender pães caseiros que ele mesmo faz em casa, em Jundiaí (SP).

O gosto pela música veio de pequeno, com influência dos pais. Com o tempo, o adolescente passou a fazer aulas de teclado, mas, ao ver um piano na escola, se apaixonou e decidiu que iria ter o seu próprio instrumento.

A receita dos pães foi ensinada pela mãe, Meriele, e, desde então, Raul aperfeiçoou as técnicas e passou até a ensinar o irmão mais novo. “Eu nunca tinha me interessado por culinária, mas minha mãe me incentivou muito e acabou que fui pegando o gosto”, conta.

No início, as vendas eram para familiares e amigos próximos, mas, um tempo depois, Raul viu que precisava ir além e decidiu criar uma conta no Instagram para divulgar o trabalho.

“A partir daí, mais pessoas começaram a se interessar e entrar em contato para comprar os pães”, diz.

Depois disso, foram muitas fornadas e quase um ano de dedicação até que o adolescente conseguisse juntar a quantia necessária para comprar o tão sonhado piano.

“Foi um sentimento de alegria, misturado com alívio e orgulho de mim mesmo. É gratificante ver que todo o meu esforço durante um ano inteiro valeu a pena”, conta.

‘Pensei em desistir’

Mas nem sempre foi tudo fácil. Raul contou que chegou a pensar em desistir do negócio depois que a pandemia de coronavírus começou.

“A grande maioria dos meus clientes era da minha escola ou retirava os pedidos lá. Também vendia os pães em uma loja de bolos de Jundiaí. Mas, com a pandemia, perdi muitas vendas e cheguei a pensar que nunca ia conseguir juntar o dinheiro”, diz.

No entanto, a força de vontade e a fé não deixaram Raul desistir. A meta era conseguir comprar o instrumento até o mês de setembro, ao completar um ano de vendas.

“Eu orei muito para saber o que fazer. Até que um dia meu pai trouxe uns amigos em casa, eles experimentaram meus pães e amaram. Todos compraram. Foi aí que passei a me sentir inspirado novamente”, diz.

Aprendizado

Agora, com o objetivo cumprido, Raul conta que pretende continuar com as vendas, já que encontrou algo que gosta de fazer. “Quero também ter o meu próprio dinheiro para, quem sabe, comprar um presente de Dia dos Pais ou de Dia das Mães e até coisas que gosto”, conta.

Segundo o adolescente, o apoio e incentivo dos pais durante a jornada foi essencial. Para a mãe, Meriele, acompanhar o filho nessa experiência serviu como um aprendizado para ela também.

“Para nós, pais, apoiá-lo nos seus sonhos é um grande aprendizado. Auxiliamos o Raul a cuidar do seu estoque de insumos, se comunicar com seus clientes, cuidar das finanças e administrar a produção. Cremos que esse aprendizado é valoroso para a vida dele, independente do que vai seguir em sua vida adulta como carreira”, afirma.

Fonte: G1