30% das mulheres dizem que já foram ameaçadas de morte por parceiro ou ex, diz pesquisa

Geral
30% das mulheres dizem que já foram ameaçadas de morte por parceiro ou ex, diz pesquisa 23 novembro 2021

Dados apontam ainda que 49% das pessoas entendem que o momento de maior risco de assassinato da mulher que sofre violência doméstica pelo parceiro é o do rompimento da relação.

A grande maioria (90%) dos brasileiros considera que o local de maior risco de assassinato para as mulheres é dentro de casa, por um parceiro ou ex-parceiro. Os dados são da pesquisa “Percepções da população brasileira sobre feminicídio”, realizada pelos institutos Patrícia Galvão e Locomotiva com apoio do Fundo Canadá.

Essa noção é reforçada pelo número de mulheres que dizem já terem sido ameaçadas de morte por companheiros ou ex: 30% delas, o equivalente a 25,7 milhões de brasileiras. Entre elas, 1 em cada 6 já sofreu tentativa de feminicídio.

A maioria delas (57%) disseram ter terminado o relacionamento, enquanto 37% denunciou à polícia e 12% não tomou nenhuma atitude.

Participaram da pesquisa 1.503 pessoas (1.001 mulheres e 502 homens), com 18 anos de idade ou mais, entre 22 de setembro e 6 de outubro de 2021 em todo o país. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais.

Para Jacira Melo, diretora do Instituto Patrícia Galvão, a pesquisa revela que o feminicídio é um tema que mobiliza a população.

“Além de mostrar que a população possui um alto grau de compreensão sobre a gravidade do feminicídio no Brasil e avalia que o problema tem aumentado nos últimos cinco anos, a pesquisa revela também que as ameaças de morte e tentativas de feminicídio fazem parte do cotidiano de uma parcela significativa das brasileiras: 30% das mulheres entrevistadas já foram ameaçadas de morte por um parceiro ou ex e 16% já sofreram tentativa de feminicídio”, afirmou.

“Se fizermos uma projeção, são mais de 25 milhões de brasileiras ameaçadas e quase 14 milhões que já foram vítimas de tentativa de feminicídio”, completou.

O número de vítimas de feminicídio foi recorde em 2020. Houve 1.350 vítimas, um aumento de quase 1% em relação ao ano anterior, segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

Participaram da pesquisa 1.503 pessoas (1.001 mulheres e 502 homens), com 18 anos de idade ou mais, entre 22 de setembro e 6 de outubro de 2021. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais.

Compreensão sobre feminicídio

Os brasileiros sabem o que significa feminicídio, segundo a pesquisa – 90% disseram ter conhecimento sobre o termo, enquanto apenas 7% nunca ouviram falar sobre a lei do feminicídio.

  • 15% dos homicídios de mulheres cometidos por companheiros ou ex não foram classificados como feminicídio em 2020, diz Anuário

Menos da metade sabe o significado do termo “feminicídio íntimo”, quando o crime é cometido em ambiente doméstico e familiar. Após serem apresentados ao significado, 98% dos entrevistados reconhecem a gravidade do assunto.

  • 93% dos entrevistados concordam que a ameaça de morte é uma forma de violência psicológica tão ou mais grave que a violência física;
  • 68% dizem saber ao menos um pouco sobre a lei do feminicídio e apenas 7% nunca ouviram falar sobre ela

A maioria da população (57%) conhece alguma vítima de ameaças de feminicídio íntimo, o que representa 91,2 milhões de pessoas, segundo os institutos Locomotiva e Patrícia Galvão.https://d5d5643fad66b95c0319bb681e15713e.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Já 41% disseram conhecer um homem que já ameaçou de morte a atual ou ex-parceira, o equivalente a 65,6 milhões de pessoas.

Relacionamentos e feminicídio

A ameaça de feminicídio é considerada uma forma de violência grave e maioria entende que, embora as ameaças muitas vezes não sejam levadas a sério, relações violentas podem resultar em feminicídio.

  • 97% concordam que mulheres que permanecem em relações violentas estão correndo risco de serem mortas;
  • 87% disseram que terminar a relação é a melhor forma de acabar com o ciclo da violência doméstica e evitar o feminicídio.

Apesar desses números, 49% das pessoas entendem que o momento de maior risco de assassinato da mulher que sofre violência doméstica pelo parceiro é o do rompimento da relação – para 28%, isso pode ocorrer a qualquer momento.

Aumento da violência e impunidade

  • Entre as mulheres, 93% consideram que esse crime tem aumentado muito nos últimos 5 anos;
  • entre os homens são 77%;
  • para 86%, os feminicídios estão se tornando mais cruéis e violentos do que os cometidos no passado;
  • 90% das mulheres consideram que arma de fogo em casa dificulta a denúncia e aumenta o risco de assassinato (80% dos homens ouvidos têm a mesma opinião);
  • 65% consideram que o homem que comete feminicídio é o responsável pelo crime e deve ser punido;
  • 30% culpam ambos (homem e mulher);
  • 3% culpa a mulher pelo feminicídio;
  • 92% consideram que os homens que cometem violência doméstica contra mulheres sabem que isso é crime, mas continuam a agredir porque confiam que não serão punidos.

Ainda que parcialmente, um terço das pessoas atribuem a culpa do feminicídio à mulher que é morta pelo parceiro ou ex-parceiro.

A percepção de impunidade é alta: apenas 25% acreditam que a maioria dos homens que ameaçam suas parceiras ou ex-parceiras são punidos na maior parte das vezes. Para 27%,há punição para quem tenta ou pratica feminicídio.https://d5d5643fad66b95c0319bb681e15713e.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Para 92% dos entrevistados, a sensação de impunidade incentiva a agressão contra as mulheres.

Canais de denúncia e apoio

Secretária Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Claudia Carletto, mostra um 'X' na mão para lembrar da campanha que pede para mulheres vítimas de violência usarem a letra com sinal de que estão em perigo — Foto: Everton Clarindo / SMDHC
Secretária Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Claudia Carletto, mostra um ‘X’ na mão para lembrar da campanha que pede para mulheres vítimas de violência usarem a letra com sinal de que estão em perigo — Foto: Everton Clarindo / SMDHC
  • 91% disseram que a delegacia da mulher é o principal serviço que a mulher ameaçada de feminicídio deve buscar;
  • 95% concordam que se alguém vê ou ouve um homem ameaçando de morte uma mulher essa pessoa deve denunciar;
  • 79% concordam que muitos policiais não acreditam na seriedade da denúncia de ameaça;
  • 90% acreditam que se as mulheres se sentiriam mais seguras para denunciar e sair da relação violenta se tivessem apoio do estado;
  • 85% acreditam que os serviços de atendimento à mulher agredida sejam bons, mas estão presentes em poucas cidades e não dão conta de atender as mulheres em todo o país.

Fonte: G1

Compartilhe esta notícia
Oferecimento
FREIRE MOTOS
BERIMBAU INST DESK
Oferecimento

Veja também

Oferecimento
VISTORI
SHOPPING INSTITUCIONAL
INSTITUCIONAL ELO
EXAME TOXICOLOGICO