2 indicadores-chave de preço da Bitcoin mostram que traders profissionais esperam subida aos 50 mil dólares

A Bitcoin nunca falha em surpreender com as suas mudanças repentinas de preço. Em meados de dezembro, quebrou o seu recorde de 2017, atingindo os 20 mil dólares. Nas três semanas seguintes, o preço da Bitcoin duplicou e atingiu os 42 mil dólares.

No início de fevereiro de 2021, o preço da BTC ultrapassava os 47 mil dólares. Este rápido crescimento foi observado no contexto de um anúncio feito por Elon Musk que desvendou um investimento por parte da Tesla de 1,5 mil milhões de dólares em Bitcoin, que foi, sem dúvida, o evento mais mediático no mercado das trocas de criptomoedas no início de fevereiro. O fundador de uma empresa de carros elétricos escreveu o seu nome na história das criptomoedas. Em uma semana, a 16 de fevereiro, o preço da BTC ultrapassou o patamar dos 50 mil dólares pela primeira vez na história, conforme evidenciado pelos dados de negociação. De acordo com a opinião de especialistas do mercado, até ao final da semana, a Bitcoin tentará manter-se nos 50 mil dólares por 1 BTC, e a taxa continuará a ser alimentada pela agitação do mercado. Eles sublinham que a situação atual é fundamentalmente diferente da última ascensão da BTC em 2017. Na verdade, dois fatores mudaram:

1) O estado da economia global piorou;

Os EUA e a UE decidiram estimular as suas economias com despesas adicionais. Muitos investidores acreditam que estas medidas de estímulo enfraquecerão o euro e o dólar americano. Também existe a preocupação de que um aumento na oferta de moeda leve a uma aceleração da inflação. Diante dessas preocupações, observou-se um aumento nos investimentos em Bitcoin, cuja oferta é limitada. Além disso, especialistas e investidores esperam o aumento do uso de criptomoedas no sistema financeiro tradicional. Isto é indicado pelas decisões de empresas individuais. Por exemplo, os serviços de pagamento anteriores como Square e PayPal, que prestam serviços a quase 300 milhões de pessoas no total, adicionaram a opção de comprar criptomoedas por meio dos seus aplicativos.

2) O aumento do nível de credibilidade dos ativos criptográficos junto dos investidores;

Após as declarações de Musk, o interesse da comunidade do Twitter na Bitcoin revelou grandes sinais de lealdade em relação à primeira criptomoeda. Claro, os reguladores podem mudar de ideias, mas neste momento, tudo indica que cada vez mais investidores corporativos irão virar-se para os investimentos em Bitcoin:

– A gigante de pagamentos Visa anunciou na semana passada o lançamento de seu próprio sistema (API) para compra de criptomoedas, que será integrado junto das instituições bancárias. O lançamento do produto está previsto para o final deste ano. O banco digital, First Boulevard, será o primeiro utilizador do serviço.

– A Mastercard planeia permitir que os seus titulares operem usando certas criptomoedas.

– O banco mais antigo dos Estados Unidos, o Bank of New York Mellon, também anunciou o início da adoção de Bitcoin e outras criptomoedas. Vai oferecer serviços de armazenamento e transferência de ativos digitais para o benefício dos seus clientes. A empresa está desenvolvendo uma plataforma especial que permitirá a transação de criptomoedas da mesma forma que ocorre com os ativos tradicionais.

– Em relação às fontes, a Bloomberg informa que a Morgan Stanley está a considerar investir em Bitcoin.

– A Uber informou que a empresa decidiu não investir em Bitcoins, mas que está a considerar aceitar a criptomoeda como forma de pagamento.

De acordo com a nota analítica dos estrategistas da JPMorgan Chase, a Bitcoin compete com o ouro por fluxos de capital e, a longo prazo, a criptomoeda pode subir até aos 146 mil dílares. No entanto, os especialistas da JPMorgan fazem uma advertência importante: a Bitcoin apenas será capaz de alcançar o ouro em popularidade se a sua volatilidade cair para os níveis da do ouro. Este é um pré-requisito necessário para atrair mais investimentos institucionais à Bitcoin. A JPMorgan destaca vários problemas que podem pelo menos limitar o crescimento da Bitcoin a curto prazo. Em particular, o banco aponta para uma grande quantidade de posições especulativas acumuladas e um aumento no número de carteiras de BTC de pequenas dimensões, o que indica a entrada de um grande número de investidores comerciais no mercado. Portanto, caso queira converter BTC para ETN ou qualquer outra moeda, é melhor aguardar e manter o máximo de BTC possível no seu portfólio, de forma a maximizar os seus lucros até ao final de 2021.

No entanto, alguns especialistas ainda consideram a Bitcoin uma “bolha”, cujo valor entrará em colapso mais cedo ou mais tarde. Mesmo os investidores que antecipam o crescimento das cotações avisam que a negociação de criptomoedas permanece extremamente volátil e que oscilações acentuadas de preços são esperadas.