Emoção até o final, reviravoltas e surpresas: veja como terminou a 1ª fase do Paulistão e o que esperar da próxima

Time (quase) rebaixado se classificando, time (quase) classificado rebaixado e afirmação das boas campanhas

Por Giovanni Luque

Bragantino se consolidou como a melhor campanha da 1ª fase. Foto Twitter oficial do Red Bull Bragantino/ @RedBullBraga

Engana – se a pessoa que diz que o Campeonato Estadual é descartável. É bem verdade que existem jogos de qualidade técnica discutível, mas não se pode negar a importância desse tipo de competição. Não quero discutir – e nem é a razão deste texto – se o Paulistão deveria ter voltado ou não, pois essa conversa não tem fim.

Na verdade, o Paulista (e os outros campeonatos regionais) são de extrema importância. Não só pelo fator esportivo, pelo qual os clubes maiores de cada estado podem testar seus elencos, mas, principalmente, pelo fator financeiro, tendo em vista que muitos dos pequenos times e, consequentemente, seus jogadores, somente têm agenda durante o período da competição. E é nesse ponto que aqueles que abominam os estaduais por pensarem no calendário geral devem se ater.

Por outro ano, a primeira fase do Campeonato Paulista foi recheada de surpresas e teve emoção até os últimos minutos dos jogos. Confira, abaixo, a situação em que cada grupo acabou, quem foram os classificados, rebaixados e os confrontos das quartas de final, logo ao lado da identificação do grupo.

GRUPO A – Santos x Ponte Preta – 30/07 – 21:30 – Vila Belmiro

Em número de pontos, foi este o grupo mais fraco do Paulistão. Tanto é que os dois rebaixados, Água Santa e Oeste, foram 3º e 4º colocados do grupo que ainda tinha Santos e Ponte Preta. A última rodada da fase de grupos reservou grandes surpresas, especialmente, para este grupo A.

A Ponte Preta começou a rodada na zona da degola, com 10 pontos e o Água Santa, com 11, estava classificado; porém, no final, com a vitória da Ponte e a derrota de virada do Água Santa, o time de Campinas passou e o de Diadema, caiu. E isso tudo aconteceu com requintes de crueldade, já que o Água Santa tomou a virada aos 43 do 2º tempo.

O Santos, clube grande do grupo, não teve uma boa primeira fase. Apesar das 4 vitórias e da liderança, o desempenho do time não foi dos melhores. Ontem, por exemplo, o Peixe tomou a virada do Novorizontino depois de estar ganhando por dois a zero (2 gols de Marinho). Jesualdo precisa melhorar se almeja o título do campeonato.

Grupo B – Palmeiras x Santo André – 29/07 – 21:30 – Allianz Parque

Líder do grupo B, o Santo André liderava tanto o seu grupo quanto o Paulistão geral até a parada da pandemia. Com a perda de diversos jogadores, entre eles o goleiro Fernando Henrique e o artilheiro Ronaldo, e tendo seu estádio como sede de um hospital de campanha, o Ramalhão foi muito prejudicado.

Ainda assim, se classificou e só perdeu o mando de jogo das quartas de final na última rodada, devido à derrota contra o Ituano. O Novorizontino, por sua vez, também fez uma boa campanha, ficando 3 pontos atrás do Palmeiras e só um atrás do Santo André. Já o Botafogo, que flertou com o rebaixamento durante todo o campeonato, se salvou com as derrotas de Oeste e Água Santa e continua na primeira divisão em 2021.

O Palmeiras, apesar da derrota para o Corinthians no retorno, fez o dever de casa e venceu o Água Santa por 2 a 1 (gols de Ramires e Luiz Adriano), avançou em 1º lugar e rebaixou o adversário. O Verdão ainda busca a formação ideal com a saída de Dudu e algumas peças, como o atacante Rony, necessitam mostrar a que vieram.

Grupo C – São Paulo x Mirassol – 29/07 – 19:00 – Morumbi

Inter de Limeira e Ituano, os dois não classificados do grupo C, não tiveram más apresentações durante o certame. É verdade que o Galo brigou contra o rebaixamento em parte da competição e a equipe de Elano despontou bem, mas depois parou. Entretanto, são bons nomes para a disputa do Troféu do Interior, competição que reúne os não rebaixados e os não classificados para as fases finais.

Classificados já há algumas rodadas, São Paulo e Mirassol disputavam, praticamente, ponto a ponto a 1ª colocação neste grupo C. E a definição só veio na última rodada, com a bela exibição do São Paulo sobre o Guarani (vitória por 3 a 1, com gols de Everton, Helinho e Paulinho “Bóia”) e a derrota do Mirassol ante à Ponte Preta, que classificou a Macaca para próxima fase.

Com a 3ª melhor campanha na classificação geral, a equipe de Fernando Diniz ainda precisa corrigir algumas falhas defensivas para encarar um de seus maiores tabus na busca pelo título paulista: os clássicos estaduais.

Grupo D – Bragantino x Corinthians – 30/07 – 21:30 – Morumbi

Nesta última rodada, movimentações importantes aconteceram no grupo D. A Ferroviária, que só dependia de si própria, fez 2 a 0 na Inter de Limeira e se salvou do rebaixamento. Já o Guarani, que, mesmo com um empate poderia avançar de fase, deixou a chance escapar ao perder para o São Paulo por 3 a 1 e ficou no meio do caminho.

Dono de uma impressionante campanha na fase de grupos, com 7 vitórias – 2 delas contra Palmeiras e São Paulo -, o Bragantino passa embalado com seus 23 pontos e a melhor campanha da 1ª fase. Devido aos novos protocolos, o Nabi Abi Chedid, casa do Braga, não será usada, mas, mesmo assim, o fato de não jogar na casa do adversário já é de grande valor.

E esse oponente aí supracitado é o Corinthians, que, contando com uma singela ajudinha do São Paulo, avançou às quartas de final. Ainda com diversos e, até, graves defeitos a serem corrigidos por Tiago Nunes, o Timão venceu o Oeste por 2 a 0 (gols de Avelar e Ederson) e tem tarefa difícil na próxima fase.

 

Giovanni Luque é colaborador do Acontece Botucatu