Projeto de extensão da FCA/Unesp divulga ciência junto a alunos do ensino médio

 

No dia 30 de agosto, tiveram início as atividades de divulgação de ciência do cotidiano junto à escola estadual Pedro Torres, em Botucatu, promovidas por alunos e professores do curso de Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia da Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA) da Unesp, câmpus de Botucatu.

A equipe da FCA preparou cinco oficinas relacionadas ao tema sustentabilidade, para serem ministradas para os estudantes dos segundos e terceiros anos do ensino médio e seus professores. Cada uma das turmas da escola participou de uma oficina. Foram abordados os temas: Segurança alimentar e econômica local (Alimentação); Água e Economia Local; Espécies e Ecossistemas e Interação Humana (Saúde e Vetores); Economia e Interação Humana (Consumo sustentável e resíduos) e Energia e Tecnologia.

A iniciativa faz parte do projeto de extensão “Universidade e Sociedade como agentes de divulgação da Ciência do cotidiano”, financiado pela Pró-Reitoria de Extensão (Proex) e coordenado pela professora Valéria Cristina Rodrigues Sarnighausen, do Departamento de Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia da FCA.

O projeto, que envolve 18 graduandos e 14 docentes da FCA, continua até novembro de 2017. Até a sua conclusão, todas as turmas de segundo e terceiros anos do ensino médio da escola estadual Pedro Torres terão cursado todas as oficinas.

O projeto tem o objetivo de desenvolver atividades contínuas de divulgação de ciências relacionada ao cotidiano, por meio da interação de estudantes de graduação do curso de Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia da FCA e estudantes do ensino médio das escolas públicas da cidade de Botucatu.

Os estudantes irão discutir problemas relacionados ao cotidiano, como por exemplo: questões inerentes ao descarte inadequado de lixo, à poluição de águas e solos, à automedicação, à proliferação de mosquitos da Dengue, ao risco relacionado ao Zica Vírus, entre outros temas que estejam em foco e que sejam identificados pela comunidade próxima às escolas. Dessa forma, os estudantes de graduação e do ensino médio serão agentes da divulgação junto à sociedade, buscando questões prioritárias, políticas públicas relacionadas e os avanços da ciência.

A expectativa dos realizadores é que a execução do projeto contribua, de forma efetiva, para a transformação social, no sentido de levar o conhecimento científico a favor da qualidade de vida da sociedade, e capacitar os estudantes para que seja estabelecida a realidade social, ambiental e cultural da comunidade.

As atividades envolvendo estudantes de graduação serão úteis para a contextualização do curso de Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia no meio de atuação dos futuros profissionais, ao reconhecer a demanda que a sociedade apresenta.