Escolas Estaduais de Botucatu não retornarão com aulas presenciais

Retorno foi autorizado pelo estado, mas Prefeituras mantém poder de veto, como é o caso de Botucatu

EECA, uma das escolas estaduais de Botucatu. Prefeitura mantém veto ao retorno (arquivo Acontece Botucatu)

Até o início da próxima semana, 1.300 escolas da rede estadual de São Paulo localizadas em 219 municípios paulistas vão retomar as atividades presenciais. As aulas para os alunos do ensino fundamental foram autorizadas pelo Governo de São Paulo a partir desta terça-feira (3).

Botucatu não retornará em um primeiro momento. A decisão do Prefeito de Botucatu Mário Pardini foi anunciada ainda no mês de agosto, quando se cogitou o retorno.

Essa decisão se estende para todas a redes, municipal, estadual e particular. Na oportunidade o Prefeito afirmou que não voltaria enquanto não houvesse segurança para os alunos.

As prefeituras são autônomas para decidir se vão ou não acompanhar o cronograma estadual. Os municípios podem adotar calendários mais restritivos, de acordo com dados epidemiológicos locais.

A retomada opcional das aulas regulares presenciais escalonadas ocorre desde o dia 7 de outubro para alunos do ensino médio e da modalidade Educação para Jovens e Adultos (EJA). Mas o retorno, entretanto, está condicionado à autorização dos prefeitos de cada um dos 645 municípios paulistas.

Regras para reabertura

A reabertura deve respeitar limites máximos de alunos e protocolos sanitários. Nas redes privadas e municipais, a educação infantil e os anos iniciais do ensino fundamental podem ter até 35% dos alunos por dia em atividades presenciais.

Para os anos finais dos ensinos fundamental e médio, o limite máximo é de 20%. Na rede estadual, só é permitido o atendimento de até 20% em todas as etapas.