Projeto Cinesolar traz em uma van a magia do cinema a Botucatu nesta quarta (19)

O Cinesolar, inovadora iniciativa brasileira de cinema itinerante que exibe filmes a partir da energia solar, visita a cidade de Botucatu no dia 19 de abril. Este ano, o Circuito CPFL de Arte e Cultura fará sessões de cinema em 60 cidades dos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais, Rio Grande do Norte e Ceará.

O projeto utiliza energia limpa e renovável para exibições de filmes, unindo arte, cinema e sustentabilidade. Tudo funciona a partir de uma van equipada com placas solares que possibilitam, através de um sistema conversor de energia solar para elétrica, a exibição de filmes e apresentações artísticas. No interior do veículo, há 100 assentos para o público, telão com metragem de 200 polegadas, sistema de projeção e som e até um estúdio de gravação. Quando chegam às cidades tudo é retirado da van e o cinema é montado em lugares como praças públicas e quadras esportivas.

Na quarta-feira, no distrito Vitoriana, em Botucatu, à rua Antonio Sandre s/n, em frente ao Posto de Saúde Vitoriana, a partir das 18h, serão exibidos  curtas com temáticas sustentáveis, voltadas para as crianças. Às 19h, começa o filme principal: o longa-metragem “Xingu”, dirigido por Cao Hamburguer. A entrada é franca.

Durante o evento acontece também a Eco Estúdio Solar – exposição tecnológica sustentável, com apresentação da van Cinesolar Tupã e do projeto como um todo. Dentro da van, infográficos e monitores mostram como funciona o carro e são passadas informações sobre os princípios básicos da energia solar (por exemplo: como a energia solar se transforma em energia elétrica). Além disso, são mostrados produtos de sustentabilidade e tecnologias renováveis, com aplicações práticas no dia-a-dia, como um instigante relógio de batatas.

O circuito é realizado através do ProAC, com o patrocínio da CPFL energia e o apoio do Instituto CPFL e da Associação Cultural Simbora. O projeto é uma realização da Brazucah Produções, através da Lei de Incentivo à Cultura, e das secretarias da Cultura dos estados citados. (A terceira edição do Circuito começou no final de 2016, com exibições em cinco cidades do interior de São Paulo: Piraju, Ipaussu, Sarutaiá, Timburi e Praia Grande.) Em Botucatu acontece o sexto evento de 2017. Os cinco primeiros aconteceram em Itaí, Valinhos, Americana, Jaguariúna e Sorocaba, todos no interior do estado.

O projeto      

 

Desde o início das atividades, em 2013, o Cinesolar, em seus diversos circuitos, realizou 400 sessões e 113 oficinas em 219 cidades de “todo” o País, ultrapassando 69 mil espectadores. A economia de energia elétrica chega a 301.600 watts, equivalente a cerca de cinco mil horas de uma televisão de 20 polegadas ligada ininterruptamente. Além de realizar sessões sustentáveis, as temáticas dos filmes trazem a sustentabilidade à tona.

O Cinesolar é a primeira iniciativa de cinema itinerante que funciona através de energia renovável, aliando a difusão cultural e meio ambiente. O projeto conta também com o apoio do Solar World Cinema e da fundação Holandesa Doen, promotora da sustentabilidade, cultura e inovação social.

“O Brasil tem um incrível potencial em energias renováveis. E por que não se beneficiar no campo do entretenimento, das artes e da cultura? Nosso objetivo é, além de democratizar o acesso à produção audiovisual nacional, trabalhar com ações sustentáveis que multipliquem a conscientização ambiental e mostrem a força que a energia solar tem por aqui”, diz Cynthia Alario, idealizadora e coordenadora do projeto.

É a terceira vez que a CPFL apoia um circuito do Cinesolar, a primeira delas em 2014.  “Nos últimos dois anos, quando muito se falou sobre crise e dificuldades provocadas pela crise, conseguimos unir forças e superar obstáculos com criatividade, esforço, interação e inovação. Em parceria com o Cinesolar, levamos cinema e atividades de sustentabilidade a mais de 50 cidades do interior paulista. Esta programação acessível, democrática e de alta qualidade é marca do Instituto CPFL Cultura, e nela nos apoiamos para fazer de 2017 um ano ainda mais intenso e inspirador”, afirma Mário Mazzilli, diretor-superintendente do Instituto CPFL.

Os filmes exibidos sempre trabalham questões ligadas à sustentabilidade com foco em três eixos: social, econômico e ambiental. Além das sessões, em algumas etapas do circuito acontecem oficinas de cinema, além de música orgânica e ecografite para crianças e adolescentes. Essas atividades propõem a reciclagem de materiais para a confecção de instrumentos musicais e o preparo de pigmentos naturais, como argila e urucum, nas pinturas produzidas pelos participantes.

 

Circuito CPFL de Arte e Cultura, em Botucatu

Dia 19 de abril, quarta-feira
Local: rua Antonio Sandre s/n, em frente ao Posto de Saúde Vitoriana, no distrito Vitoriana, em Botucatu. (Em caso de chuva, será realizado no Salão da Igreja Nossa Senhora das Vitórias.)

Programação*

18h – Curtas-metragens infantis, com a temática da sustentabilidade

 

19h – Longa Metragem “Xingu”, dirigido por Cao Hamburguer, com Felipe Camargo, João Miguel, Caio Blat, Maria Flor e Fábio Lago no elenco.

 Entrada Franca

 

Parceria Local: Prefeitura e Secretaria Municipal da Cultura.

Patrocinador: CPFL Energia e ProAC.

Apoio: Surya Brasil, Keppe Motor, Ecofit, Ecooar, GIZ, Instituto Ideal e Fundação Holandesa Doen e Solar World Cinema.

Apoio tecnológico: Sices Solar.

 

 

Sobre o filme “Xingu”

Lançado em abril de 2012, esse filme biográfico de 1m43min, conta a fascinante história dos irmãos Orlando, Cláudio e Leonardo Villas-Bôas, que decidem abandonar o conforto das grandes cidades e viver uma grande aventura: os três alistam-se na expedição Ronacador-Xingu e parte para uma missão desbravadora pelo Brasil Central. Rapidamente, se tornam chefes da expedição e se engajam na defesa dos índios. Entre suas muitas conquistas, está a formação, em 1961, do Parque Nacional do Xingu, reserva indígena e parque ecológico. Xingu foi dirigido por Cao Hamburger (‘O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias), a convite de Fernando Meirelles (“Cidade de Deus”), que recebeu o projeto das mãos do filho de Orlando Villas-Bôas e produziu o longa.

O filme reúne drama, ação, aventura e suspense, trazendo dos primeiros passos dos três irmãos – Orlando (Felipe Camargo), Cláudio (João Miguel) e Leonardo (Caio Blat) –  à criação do parque. Mesmo destacando o pioneirismo e o heroísmo dos irmãos Villas-Bôas, o ótimo roteiro de Cao Hamburguer, Anna Muylaert e Elena Soárez revela as nuances, dramas e efeitos que a convivência entre casou nas relações entre brancos, índios e os próprios Villas-Boas. Além da história, não há como não se encantar com as belas imagens do filme, quase todo rodado em Tocantins. Além dos atores já citados, o elenco do filme tem ainda nomes como Maria Flor e Fábio Lago.

 

Veja os curtas que serão exibidos em Botucatu

 A Patrulha do Xixi no Banho – Em uma tarde qualquer, o plano mirabolante do EITA – Esquadrão Invencível da Traquinagem Atômica – está prestes a ser colocado em ação: fazer xixi no banho e ajudar a salvar o planeta. O ato pode parecer nojento para a maioria, mas não para Samuel, Bruninho, Júlia, Maria Tereza e Luis Felipe. Em um mundo onde o real e o imaginário se confundem, é difícil distinguir também o que é “sério” e o que é “brincadeira”. A Patrulha do Xixi no banho adota diversas ações para convencer seus amigos e familiares dos benefícios ambientais de fazer xixi no ralo. Inclusive, partem para uma tática de “guerrilha” que toma proporções globais, despertando o interesse de pessoas de todo o mundo e, inclusive, de personalidades públicas.

Duração: 9’23”

Direção: Michael Valim

 

A onda – Festa na Pororoca – Com roteiro original de Adriano Barrosso, conta a história de uma festa que os bichos organizam no fundo do rio para esperar a passagem da Pororoca. Enquanto isso, na superficie, dois surfistas do Sul tentam a aventura de “domar” a onda da pororoca. Estas ondas nos rios da Amazonia são um fenômeno natural. No Pará, o principal municipal atingido é de São Domingos do Capim.

Duração: 10’50”

 

Comitê de Bacia Hidrográfica – Duração: 4’10”

Direção: ANA Agencia Nacional de Águas

 

Um Rio – Filme de estreia do canal “Olhar Para Tudo” mostra, de forma lúdica, algumas transformações que podem ocorrer no meio-ambiente com o crescimento de uma cidade. Propõe para a criança a discussão sobre qual o futuro que queremos para os rios de nossas cidades e aborda temas como mobilidade urbana, preservação, lixo, entre outros ligados a sustentabilidade e cidadania. Visite o site para ter mais informações.

Duração: 4’15”

Direção: Marcelo Bala e Andrea Pesek

 

Os Sustentáveis – Curta de animação. Liga de super-heróis sustentáveis que salvam o Planeta de um colapso ambiental.

Duração: 1’09”

Direção: Lisandro Santos

 

Caixa – Filme de animação 3D. Em uma caixa porta-tremo coexistem 4 universos, que estão sendo deteriorados pelos homens. Os 3 primeiros universos entram em colapso e homens passam a habitar no 4 universo ondem vivem dois pinguins.

Duração: 1’10”

Direção: Luciana Eguti e Paulo Muppet

 

Procura-se – Camile está determinada a encontrar seu cachorro bolinha, mas para encontrá-lo precisará viver a maior aventura da sua vida.

Diretor: Iberê Carvalho

Duração: 15 min