JANTAR DANÇANTE DA FERROVIÁRIA FOI RECHEADO DE MUITA EMOÇÃO

 A vida é mesmo uma “caixinha de surpresas”! Em menos de sete dias, estive envolvido em dois eventos comemorativos que arrebentaram meu coração e, com muito prazer, quero relatá-los aqui nesta coluna, tal a sua importância em minha vida.

Primeiro foi o Jantar Dançante realizado em comemoração aos 80 anos de fundação de um clube social e esportivo da grandeza da nossa querida e amada Associação Atlética Ferroviária, que aconteceu na noite do sábado (18/05), oportunidade em que o maior Patrono do “Tricolor Botucatuense” de todos os tempos, Doutor Plínio Paganini, e outras figuras expressivas da agremiação – entre as quais, o Doutor Newton Colenci – foram muitíssimo lembradas. Depois veio a merecida homenagem prestada a um cidadão “pra” lá de valioso que deixou, entre nós, um legado muito respeitável: meu “paizão” Orlando de Almeida, que inclusive, recebeu honrarias, junto de outra exuberância de pessoa, o também ferroviário da “velha guarda”, Dirceu Rodrigues de Barros.

Com a “poeira baixa”, vou tentar contar, primeiramente, como foi a festa que marcou mais um ano de existência do famoso “clube da baixada”, ou melhor, os 80 anos de sua profícua existência. Uma festona “pra” lá de maravilhosa! Desde o jantar oferecido pelo Buffett “LU e BELA”, no ginásio II, aos pouco mais de 300 convidados, até às homenagens prestadas, aos filhos do eterno Presidente do clube, Doutor Plínio Paganini, e as mães presentes – é bom dizer que em tudo teve a maiúscula animação da Banda Paulistana DEFINISOM, composta por seis integrantes talentosos – tudo “arrebentou” em alegria e emoção.

Foi muitíssimo prazeroso ver sentados numa única mesa os três filhos (Plininho, Vanderlei e Edmundo, com suas respectivas heranças) do cidadão que construiu tudo (tudo mesmo) lá na nossa Ferroviária. Também foi bastante agradável, perceber a satisfação sentida por eles ao lembrarem-se da época em que o “paizão” Plinio que, acabava de deixar a Prefeitura, onde por quatro anos, representou condignamente todos os botucatuenses e junto de outros esportistas, esboçarem um projeto que visava transformar a nossa Ferroviária – na época, um clube falido, tal a dívida monstruosa que o futebol profissional havia deixado – numa das maiores potências poliesportivas de todo o Estado de São Paulo e ver que isso, de fato, aconteceu.

Não menos agradável, foi presenciar o Coordenador Social do clube Wilson Antunes, juntamente com o nosso competente gerente administrativo, João Francisco Chavari prestando bonitas homenagens às mães “dançarinas” que lá estavam, até porque, no rol das festividades, a organização do evento havia projetado cumprimentar as mamães pelo “Dia das Mães”. Muitas das presentes, entre elas, a minha outra metade, Rose de Almeida que, de maneira carinhosa, representou todas as mães presentes, e ainda acabou presenteada com um lindo vaso de flores. Coisa bonita de se ver!

Enfim, o nosso “Tricolor da Baixada” como é carinhosamente chamado pelos esportistas aqui na terrinha, completou os seus oitenta anos de vida em meio a uma festa contagiante e recheada de muita emoção. Que venham os próximos aniversários e, com eles, que sejamos presenteados com muito mais progresso!

Já, o outro emocionante acontecimento, realizado na noite da quinta feira subsequente (23/05), lá na antiga Estação Sorocabana, se deu por conta de uma brilhante iniciativa do vereador Laudo Gomes da Silva, o Sargento Laudo. Esse dedicado homem público se atreveu homenagear dois valiosos profissionais da extinta – porém, saudosa – Estrada de Ferro Sorocabana: o senhor Dirceu Rodrigues Barros, pai do meu grande amigo Luiz Francisco Barros e o meu saudoso irmão Orlando de Almeida, colocando o nome de cada um em duas das salas da antiga Estação Ferroviária de Botucatu. Que bela homenagem!

Muitas personalidades “botucudas”, dentre elas, o jovem Prefeito Municipal Mário Pardini , o Presidente do Legislativo Botucatuense, Ednei Lázaro da Costa Carreira, um “montão” de autoridades e, outro tanto de familiares dessas famílias respeitosas, foram levar o seu abraço, em forma de homenagem póstuma, a esses dois baluartes do mundo ferroviário.

Como não poderia ser diferente pra mim, ali o “bicho pegou” ainda mais forte emocionalmente, pois, além da saudade sentida pelo meu maior orientador nessa vidinha passageira, ainda tive que conviver, por alguns minutos, com as inesquecíveis boas lembranças do meu tempo de “moleque”, quando diariamente trazia a “marmita” aos meus irmãos que também eram ferroviários e, se isso não bastasse, ainda tive que fazer uso da palavra abrindo o coração para deixar o meu saudoso “OI” àquele que, sem sombra de dúvidas, foi o maior representante que os ferroviários tiveram em toda a história da Ferrovia. Mas Deus estava comigo. Apesar do descontrole emocional, consegui “ficar em pé”. Aliás, tanto eu, como o amigo Luiz Francisco, que falou pelos familiares do seu Dirceu, conseguimos  deixar registrado o nosso carinho e a nossa gratidão.

Parabéns, querido vereador Laudo Gomes da Silva, por ter a sensibilidade de reconhecer o trabalho deixado por essas duas figuras maravilhosas da nossa sociedade. Que Deus, o Todo Poderoso ilumine sempre esse seu trilhar pelos caminhos do bem. Infelizmente muitos (muitos mesmos) ferroviários, que também marcaram seu nome na história dessa instituição, que deixou muitas saudades entre nós, continuam esquecidos. Vá em frente caro amigo. Faça SIM, outras homenagens desse porte!

Rubens de Almeida – Alemão/alemao.famesp@gmail.com