Citrosuco juntamente com o instituto Votorantim fazem expressiva doação às casas de apoio do HC

Prezado leitor, é claro e notório que, há longos quatro meses, estamos vivendo uma realidade jamais vista em todos os tempos, por todos os cantos deste país encantador. Também é verdade que, por conta dessa malfadada epidemia que, de modo algum quer deixar a nossa gente tranquila, “problemas” dos mais variados são “jogados ao ar” por todas as mídias, em especial, pelos canais de televisão, que parecem estar torcendo para que o vírus continue desgraçando a vida das pessoas e, se isso não bastasse, ainda vem dando enormes espaços para as abusivas e inaceitáveis “leis” que alguns políticos poderosos (leia-se governadores), com aval do Supremo Tribunal Federal, implantaram em todos os estados e municípios do Brasil, com objetivo de combater o vírus chinês; aliás, para mim, (que tenho absoluta certeza, não serei impedido de expor a minha opinião pelo STF, até porque tenho consciência de que sou “café pequeno”) essa palhaçada do “FIQUE EM CASA”, não é nada mais e nada menos, do que uma verdadeira jogada política que, graças a Deus, aos poucos vai “caindo no colo” da população brasileira, como uma farsa que custou a vida de muita gente, desempregou milhões de nossos irmãos e penalizou um “punhado” de empresas e micro empresas que fecharam as suas portas.

Desabafos à parte, vamos ao que me fez esboçar este “causo” para você que me faz companhia semanalmente. Enquanto na esfera política de modo algum, ninguém se entende, no lado SOLIDARIEDADE, uma valiosa maneira de enxergar a importância de se viver para o bem, as coisas continuam “balançando corações” e fazendo toda a diferença, especialmente na vida de brasileiros que, ou ficaram desempregados, ou que foram orientados a “ficar em casa”. O que se vê de pessoas realizando campanhas benevolentes, cantores renomados fazendo LIVES com o propósito de angariar alimentos e, por ai vai, é algo pra lá de louvável; por sinal, uma realidade que não me surpreende, pois conheço (e muito bem) esse campo de atuação do povo brasileiro.

Tanto isso é verdadeiro que “nóis” (eu e a minha querida amiga Solange de Moraes) que cuidamos dos quatro abrigos que acolhem pessoas (pacientes/acompanhantes) que vêm ao nosso Hospital das Clínicas na busca de recuperar a sua saúde, fomos agraciados, na manhã da última terça-feira (04/08), com a visita de três ilustres cidadãos solidários: meus amigos, Natalia O dos Santos, Orientadora Social, Sérgio Leandro de Moraes, Administrador da Fazenda Rio Pardo e Tiago H. de Souza, seu Encarregado, que em nome da Empresa CITROSUCO (que possui três fazendas em Botucatu e outras nos municípios de Iaras, São Manuel e Lençóis Paulista) e do INSTITUTO VOTORANTIM, nos presentearam com um “montão” de roupas de ótima qualidade e 700 litros de leite Longa Vida. Acredite! Essas doações foram angariadas entre os trabalhadores da “roça”, através de um projeto denominado “DESAFIO VOLUNTÁRIO”. Dá pra entender que um trabalhador do campo, que “pega pegando”, de dez a doze horas por dia, em meio a sol ou chuva, e que tem um salário insignificante perante muitos desses “medalhões” da política nacional, tiraram um, dois ou três litros de leite do consumo dos seus filhos, para dividir com quem vem se hospedar nas nossas Casas de Apoio? Pois bem, isso ocorreu. É, minha gente, assim é o coração da população brasileira. Desde quando me atrevi conhecer o mundo, sempre soube que no Brasil, quem ajuda o povo é o próprio povo! Inclusive, essa mesma empresa, com a parceria do Instituto Votorantim, durante a Pandemia, fez doação de luvas, álcool gel, aventais, máscaras e outros Equipamentos de Proteção Individual, à Secretaria de Saúde da nossa municipalidade. Parabéns a todos os diretores dessa empresa que, igualzinho a outras que conheço, tem um comprometimento social bastante elogiável.

Preciso continuar “falando” mais um pouquinho do que mais me satisfaz, ou melhor, daquilo que alegra, por completo, o meu coração: da GENEROSIDADE da nossa gente, afinal, isso é prazeroso demais. Desde que implantamos as nossas Casas de Apoio, isso há 15 anos, recebemos inúmeras doações grandiosas, oriundas de diversas campanhas realizadas por grupos de amigos, empresas e voluntários em geral. Foi assim com o famoso grupo de “boleiros” do REBOLA Esporte Clube (que também está com as suas atividades interrompidas há quatro meses); com o setor social de dois dos colégios mais renomados de Botucatu (Colégio ANGLO e ARQUIDEOCESANO); com o grupo Amigos do Banco SANTANDER; com o Projeto “AMIGOS DA CRIANÇA” que, há dois meses consecutivos, faz a doação de todo material de higiene e limpeza que utilizamos nas casas; com o belo programa social da empresa botucatuense MANJENUTRA, comandado pela minha querida amiguinha Juliana; com o pessoal da Rede de Supermercados Confiança, que no ano passado realizou um jantar beneficente em prol das Casas de Apoio, e outros tantos. Porém, tenho que relatar que esta doação dos amigos da CITROSUCO (que, é bom que se diga, chegou em boa hora), é a segunda campanha que eles desencadeiam para nós. No ano passado também fomos presenteados com a doação de muitos mantimentos. Muitíssimo obrigado queridos amigos. “Nóis” todos aqui das Casas de Apoio, estaremos sempre à disposição de vocês, muito especialmente, desses trabalhadores honrados que se abraçaram e nos ajudaram muito com os seus donativos. Ah, como esquecer que o renomado cantor Fábio Junior, o ídolo da “Alma Gêmea” e esposo da minha estimada amiga Fernandinha Pascucci, meses atrás, fruto da sua última LIVE, destinou três toneladas de alimentos pra nós! Salve, salve! Deus sempre no comando sempre!

Por fim, já que o foco deste meu “conto” é a SOLIDARIEDADE, quero enviar um abraço bastante carinhoso a um são-manuelense de primeira linha, todinho enraizado com a nossa cidade e que, sem sombra de dúvidas, é uma das pessoas mais generosas que conheci ao longo desse meu trilhar pelo mundo da fome, da pobreza e da miséria: meu amado companheiro de lutas e lutas pelo bem estar de muitos dos nossos irmãos, João Santini, o querido João do IPÊ. Querido João, que Deus, na Sua Infinita Bondade lhe retribua, em vida, tudo o que você me ajudou fazer pelo bem do próximo durante um “montão” de anos. Quanta saudade sinto daqueles tempos em que eu pegava dezenas de marmitas no seu aconchegante Restaurante (“CHURRASCARIA DO IPÊ”) e saia distribuindo pela periferia da cidade. Vida que segue caríssimo! Que Deus lhe dê muita saúde meu querido irmão!

Rubens de Almeida – Alemão/[email protected]