Afinal, de quem é a culpa?

Prezado colega, este desabafo pode até estar superado (espero que sim), pois, quando sentei para escrevê-lo, estávamos vivendo uma triste realidade, ou melhor, ainda não tínhamos notícias do pagamento do nosso tão aguardado ABONO DE NATAL, ou seja, o nosso 13° salário – um dos maiores direitos dos trabalhadores brasileiros – ainda não tinha sido pago pela Universidade. Aí vem a pergunta que precisa ser respondida: o problema é da UNESP que tem autonomia de gestão ou do Estado?

Como funcionário antigo desta Instituição que queiram ou não, foi uma das Universidades Públicas que mais cresceu nas últimas décadas – estou no exercício das minhas funções desde o ano de 1968, quando fui classificado em segundo lugar num concurso que admitiu 90 servidores, portanto, há mais de 50 anos – modestamente quero deixar a minha opinião sobre essa terrível situação que vem castigando mais de 12 mil servidores públicos do ESTADO DE SÃO PAULO.

Acho que a culpa maior é do Estado, muito especialmente do Governador anterior Doutor Geraldo Alckmin que no início dos anos 2000, com a morte do então Governador Mário Covas, assumiu o Governo do Estado e autorizou a sua expansão. No começo tudo muito bom, até porque, nesses momentos tudo vale a pena. Municípios felizes com as promessas de campanha sendo concretizadas; prefeitos fazendo pactos perfeitos e por aí se foi. O Doutor Geraldo Alckmin terminou aquele mandato, foi eleito e reeleito, “utilizando” essa “baita” propaganda eleitoral e, nos onze anos em que ficou à frente do Estado, sequer reavaliou o programa e as suas necessidades. Ai vem outra pergunta: por que isso não aconteceu? Foi por falta de um representante de peso da Universidade que marcasse presença constante no Palácio dos Bandeirantes mostrando a realidade que a UNESP passou a enfrentar com essa ampliação de campus, bem como, com todas as dificuldades que  veio a enfrentar após essa (a meu ver) brilhante ideia, ou por desinteresse do governo do Estado em valorizar tão importante iniciativa de muitos cidadãos do bem? Esquisito né! Mas vamos em frente.

Acho que a nossa UNESP deixou a desejar. Na minha opinião, faltou alguém SIM para mostrar aos governantes, as limitações ocorridas por conta desse elogiável crescimento, em especial para o último (Márcio França) que demonstrou abertamente interesse em discutir o assunto ainda no seu governo. O tempo passou e… .

Ainda falando da UNESP, um assunto que também deveria ser utilizado como argumentação forte na justificativa para que o Estado aumente SIM as receitas da Universidade é o que fazemos para o bom funcionamento da prestação de serviço ao público, na área de saúde. Temos um Hospital das Clínicas, com capacidade de mais de 500 leitos; uma “Casa de Saúde” – aliás, referenciada pelo SUS/Sistema Único de Saúde, pois  atende pacientes de mais de 80 cidades da região – que acabou “encampada ” pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, e que vem utilizando os préstimos de centenas de funcionários e Docentes que, diga-se, são pagos com recursos da UNESP. Ou isso não é verdade?

Agora muito se comenta nos bastidores a maneira como a Universidade vem sendo gerenciada nos últimos anos, desde a gestão passada. Eu particularmente não acredito que algo de errado esteja acontecendo, pois vejo muita credibilidade nos colegiados que auxiliam na sua administração e conheço a capacidade e a integridade de muitos dos dirigentes maiores da nossa Instituição, mas se isso for verdadeiro, cabe ao Governador abrir um processo de apuração dos fatos e tomar as decisões que venha coibir possíveis abusos, até porque, apesar da autonomia de gestão dada a Universidade pelo Estado, isso não quer dizer que o Estado está livre de tudo e de todos. A UNESP continua SIM ligada ao governo de São Paulo que, na minha visão é o “dono” de tudo o que acontece nela, e vou além, o nosso governador é SIM o responsável por tudo o que de bom e de ruim ocorre aqui.

Por fim, de maneira muito otimista, aliás, coisa que me faz companhia em tudo, especialmente quando discuto algo onde estão envolvidas pessoas descentes e comprometidas com o bem da nossa gente, quero crer que o ilustríssimo  senhor Governador do Estado de São Paulo, João Doria Junior vai atentar para as necessidades dessa “pérola” que é a nossa Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP, chamando o nosso Reitor Sandro Valentini, bem como a sua equipe econômica e traçar planos para que não voltemos mais a enfrentar problemas dessa gravidade. Que Deus esteja ao lado de todos aqueles que se interessem em discutir o bem dessa nossa maravilhosa casa chamada UNESP.

Rubens de Almeida – Alemão

alemao.famesp@gmail.com