A busca da ciência pela volta à rotina

Artigo do Professor Beto Pavão – Espaço Elo

Desde a primeira matéria da nossa coluna enfatizamos a importância de sermos fisicamente ativos e porque devemos cuidar dos nossos pensamentos e emoções durante toda a vida, principalmente agora diante dessa pandemia. A ciência nunca trabalhou tanto, e freneticamente está em busca de respostas e soluções para que nossas rotinas voltem a ser como antes, mas será que elas voltarão a ser?

Durante toda nossa vida estamos adquirindo experiências tanto nos momentos bons como nos momentos ruins. Devemos levar em consideração que todo momento de dificuldade aparece em nossa jornada para um aprendizado, e a grande sacada é entender o que esse processo tem a nos ensinar. Observar, sentir entender esses ensinamentos são fundamentar para nossa evolução e olhando com amor e gratidão devemos continuar a maravilhosa jornada da vida unindo corpo e mente. Em relação a tão cobiçada saúde os exercícios sempre serão protagonistas.

Nessa semana a FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), publicou em sua revista uma pesquisa realizada com 34 jovens senhoras que não praticavam rotineiramente exercícios físicos com idade entre 50 e 70 anos durante 16 semanas. Foram avaliados exames de hemograma completo além de teste que analisavam a força muscular e condição aeróbica. A reposta foi que todas tiveram perda na força muscular e 100% das senhoras tiveram uma significativa piora em seu quadro de saúde. Essa pesquisa nos mostra o quanto pessoas sedentárias pioraram seu quadro de saúde durante a pandemia.

Recentemente o Professor Doutor João Bento Torres Neto da Universidade Federal do Pará (UFPA), foi muito feliz ao abordar em uma aula a importância dos “exercícios físicos verdes”, onde mostrou a correlação de desempenho neural na formação de novas sinapses quando os exercícios físicos são praticados ao ar livre e em contato com a natureza. Ele afirma que treinar faz bem e diante da natureza é muito melhor.

Respondendo à pergunta do primeiro parágrafo NÃO, nossas rotinas não serão nunca mais as mesmas, pois se fossem, a pandemia de nada nos serviria. Sejamos mais ativos, mais solidários, mais felizes e menos reativos pois essa é a maior contribuição que podemos oferecer ao planeta.

Beto Pavão – Academia Espaço ELO