Stadtbus anuncia compra de dois novos ônibus para operar em Botucatu

Alvo de inúmeras críticas desde o ano passado após diversos episódios envolvendo seus veículos, a empresa de transporte coletivo Statdbus anunciou na última terça-feira, 07, a aquisição de dois ônibus novos (zero km) para operar no Município de Botucatu. Segundo a empresa, os novos veículos contam com elevadores para portadores de necessidades especiais, motores eletrônicos com baixa emissão de gases, poltronas estofadas, lixeiras, itinerário eletrônico, entre outros acessórios de conforto e segurança.

A empresa gaúcha, assim como a mineira São Dimas, enfrenta ainda um processo de ruptura de contrato no município. Segundo a Prefeitura, o processo esbarra nos chamados prazos jurídicos. No anúncio dos novos veículos, a empresa cita o termo ‘compromisso de resgate da eficiência’.

“Mesmo na conjuntura econômica recessiva, com queda acentuada da demanda de passageiros, o objetivo da empresa é demonstrar o seu compromisso de resgate da eficiência, segurança e pontualidade na operação dos serviços da cidade”, disse o diretor da empresa Vanderlei Cassol, em um comunicado oficial.

A empresa passa por um processo de auditoria em sua frota. Os veículos novos devem chegar ao Município ainda nessa semana e entrarão em operação logo que cumpridas as formalidades legais e autorizados pela Administração. “Esta renovação alia-se a todo o processo de auditoria que vem sendo realizado nos ônibus. A empresa trouxe novos profissionais de mecânica, bem como seu diretor geral de todas as operações da empresa para monitorar pessoalmente os avanços”, finalizou o comunicado.

Crise no sistema

Vale lembrar que desde o ano passado o setor do transporte público em Botucatu vive uma crise, por conta de quebra de coletivos e incidentes envolvendo as duas empresas concessionárias do município. No final de 2016, o então prefeito João Cury chegou a anunciar a quebra do contrato com as duas permissionárias do serviço de transporte.

O processo foi estudado pelo jurídico da prefeitura e o atual governo tem conversado com as empresas para chegar a um consenso amigável para resolução definitiva para o impasse. O processo ainda deve se arrastar por um bom tempo.