Projeto de educação ambiental com idosos realiza mutirão de plantio no Aconchego

Fotos cedidas: Júlia Correr

Foi realizado no mês de agosto um mutirão no espaço do grupo Aconchego para a construção de um Sistema Agroflorestal (SAF), que é uma técnica de produção que imita ecossistemas naturais combinando diferentes culturas agrícolas, com canteiros que abrangem as principais plantas alimentícias e medicinais usadas por eles.

O trabalho foi uma inciativa do Projeto Jequitibá, desenvolvido pela ONG Instituto Floravida. Houve também a participação do Grupo Timbó de Agroecologia da UNESP de Botucatu, além dos idosos da UBS do Jardim Iolanda, que também colocaram a mão na massa.

A vivência proporcionou um momento de interação entre os grupos e os estudantes e profissionais, com muita troca de conhecimentos e aprendizados sobre formas sustentáveis de cultivar as plantas, sendo que, até o final deste ano, devem ser realizados outros mutirões, trabalhando a sustentabilidade e a cidadania.

Jequitibá

O Projeto Jequitibá trabalha atualmente a educação ambiental de forma contínua com idosas e idosos do município de Botucatu, chegando em 2019 ao seu 3º ano de atuação, sendo viabilizado por parcerias com a Fundação Banco do Brasil em 2018 e com a Duratex em 2019.

O grupo atua em uma diversidade de Instituições que atendem a terceira idade e, nestes anos de experiência, têm revelado a importância de envolver o público idoso em atividades que valorizem e ampliem os seus conhecimentos e histórias de vida, exercitando ativamente a cidadania, a convivência, o cuidado com o meio ambiente e o bem-estar.

Ao longo de 2019 estão sendo desenvolvidas diversas atividades junto aos três grupos atendidos atualmente, sendo o Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) Leste, o Aconchego e a Unidade Básica de Saúde do Jardim Iolanda. Partindo de temas como o cultivo e uso de plantas medicinais e alimentícias, são desenvolvidas atividades semanais que estimulam a troca de saberes, a coordenação motora, a criatividade, a memória e a socialização.

Entre as atividades realizadas estão o plantio de plantas alimentícias e medicinais no espaço de cada grupo, oficinas de culinária utilizando as plantas e realizando o plantio das sementes, pintura, escrita e artesanato, jogos e caminhadas. Também houveram visitas ao jardim medicinal do Instituto Floravida, que contem cerca de 200 espécies de plantas.

Através dos encontros, o Projeto busca realizar um levantamento das principais necessidades de cada grupo, para então realizar uma intervenção que seja necessária à comunidade local. No ano de 2018 foi produzida uma cartilha que contém as principais plantas utilizadas pelos idosos e as suas formas de preparação e usos medicinais, além de uma espiral de ervas na sede dos grupos, facilitando o acesso a estas plantas.