Projeto com a ’emenda dos rodeios’ tem pedido de vista e votação é adiada mais uma vez

Para frustração do público que lotou as dependências da Câmara Municipal na noite desta segunda-feira, 24, o Projeto 73/2017 teve pedido de adiamento por parte do vereador Paulo Renato na ordem do dia e sua votação mais uma vez não foi realizada. O Projeto de Lei 73/2017, que institui a Política de Bem-Estar Animal, volta na próxima sessão, noa quarta-feira dia 02.

A polêmica em torno da matéria o rotulou como o Projeto dos Rodeios, deixando equivocadamente em segundo plano seu verdadeiro objetivo, que é o bem estar animal em Botucatu. Uma emenda que abre brecha para provas de laço e rodeios com o uso do sedém tomou conta das discussões, não só na Câmara, como nas redes sociais. Paulo Renato, que pediu vista, é um dos autores da emenda, que ainda conta com as assinaturas de Cula (PSC) e Carreira (PSB).

O plenário da Câmara Municipal estava lotado de pessoas que defendem a realização de rodeios e provas em Botucatu. Aliás, centenas de pessoas se aglomeraram desde às 12 horas na porta do prédio para acompanha a votação com cartazes.

Na última semana houve muitas reclamações de pessoas que figuram entre os protetores dos animais, que não tiveram chance de acesso ao plenário, uma vez que o prédio já estava lotado muito antes do início da sessão. O fato se repetiu.

O clima era de tensão e pressão em cima de vereadores que são contrários a emenda que abre a possibilidade de realização de rodeios em Botucatu. Há relatos também de desentendimentos entre alguns parlamentares nos últimos dias e na tribuna nesta noite os vereadores Carreira, Sargento Laudo e Paulo Renato trocaram algumas farpas.

Durante o grande expediente, vereadores fizeram uso da palavra. Teve quase choro de Ednei Carreira, troca de farpas entre parlamentares (Carreira x Laudo x Paulo Renato), discurso em defesa da classe rural por parte de Paulo Renato e embate entre o vereador Abelardo e público presente.

Para lembrar a polêmica

Em pauta nesta noite, de novo, o Projeto de Lei 73/2017, que institui a Política de Bem-Estar Animal. A polêmica em torno da matéria o rotulou como o Projeto dos Rodeios, deixando equivocadamente em segundo plano seu verdadeiro objetivo.

Uma emenda que abre brecha para provas de laço e rodeios com o uso do sedém tomou conta das discussões, não só na Câmara, como nas redes sociais. Lamentavelmente a discussão tomou proporções desnecessárias e exageradas.

No fim de semana a classe política esteve agitada com diversas reuniões. Nos bastidores há fortes críticas sobre o comportamento de políticos em Botucatu na condução do tema. O clima é tenso com grupos contrários e favoráveis trocando farpas pelas redes sociais e fugiu do controle com atitudes lamentáveis.

Comportamento inadequado e ato criminoso no fim de semana

No último sábado, uma enquete divulgada pelo Acontece Botucatu foi alvo de críticas infundadas, com um áudio criminoso, gravado de forma anônima, feito por pessoas inconformadas com o resultado da votação. A fala sugeria uma manipulação de resultado, o que é tecnicamente impossível.

Em um grupo de WhatsApp, com centenas de pessoas favoráveis aos rodeios, o áudio foi divulgado, causando ira de seus membros. O ato tomou proporções desnecessárias.

Uma mulher contribuiu para a difamação, publicando de forma indevida o telefone de um dos diretores do Acontece Botucatu, o que incentivou os participantes a invadir a privacidade do profissional em seu número particular e familiar. Mensagens de protesto e até ameaças foram enviadas e o caso deverá parar na Polícia com medidas jurídicas já em andamento por parte de seus diretores.

Vai e vem do projeto

No dia 09 de abril o projeto foi retirado após pedido do vereador Zé Fernandes (PSDB). Na última segunda, dia 16, o vereador Abelardo pediu vista. Hoje foi a vez de Paulo Renato exercer seu direito.

O projeto foi enviado pelo Prefeito Municipal Mário Pardini e segue a legislação vigente, que proíbe o uso do sedém. Ou seja, qualquer outro destino, como a emenda assinada pelos vereadores Carreira, Cula e Paulo Renato é problema da Câmara e não do Executivo.

A emenda precisa de 6 votos para aprovação e hoje conta com apenas 3 favoráveis. Mas é impossível prever quando algum vereador possa mudar de opinião, como o caso de Cula (PSC), que há dois meses atrás falou em uma audiência pública que votaria contra rodeio e hoje assina a emenda.