Ônibus ‘mascarados’ tentam chamar a atenção da população para a Covid-19 em Botucatu

Primar customizou seus ônibus para conscientizar sobre o covid-19 em Botucatu

Empresário Marcelo Nunes, proprietário do Primar, vítima recuperada do covid-19, customizou seus ônibus. Fotos Acontece Botucatu

Na manhã desta sexta-feira, 08, dois ônibus da empresa Primar Navegações e Turismo de Botucatu ficaram expostos em frente à Catedral, na região central da cidade. Os veículos foram adesivados com máscaras, com objetivo de chamar a atenção da população para a importância do isolamento social e o uso de máscaras no dia a dia.

A iniciativa partiu do empresario Marcelo Nunes, dono da empresa e também do Hotel Primar. O empresário foi uma das vítimas do Coronavírus em Botucatu, mas após passar um período internado, conseguiu vencer a doença.

“Como sobrevivente da Covid, eu me sinto na obrigação de ajudar e alertar a população que a doença existe. Nós estamos fazendo a nossa parte e é preciso entender que todos precisam fazer a sua parte. A prevenção é o melhor remédio que existe neste atual momento. Queremos mostrar com esses ônibus, que nós estamos todos juntos, a própria frase que esta nos ônibus diz isso: “juntos e unidos nós sermos mais fortes”, disse o empresário ao Acontece Botucatu.

Após ficarem expostos no Largo da Catedral, os ônibus percorreram toda a cidade, chamando a atenção de quem estava nas ruas. O empresário custeou todas as despesas para a caracterização dos veículos, mesmo em um momento de queda brusca nas receitas, já que o setor do turismo está praticamente parado. Poucas pessoas procuram o hotel neste momento e os ônibus e o navio da empresa em Barra Bonita estão sem atividades. Marcelo conclama a todos para ajudarem.

“A imprensa, os empresários, os trabalhadores e toda a população precisam estar conscientes que o Coronavírus está aí, está matando muitos e vai tirar a vida de muita gente ainda, até encontrarmos um remédio. Acima de tudo nós precisamos nos prevenir. Eu talvez não tinha essa consciência, e quase paguei com o preço da minha vida e hoje eu me sinto na obrigação de alertar as pessoas e com isso ajudar a salvar muitas vidas. Se todos nós pensarmos assim, com certeza iremos vencer essa doença”, finalizou Marcelo Nunes.