Morre o famoso Índio do camelódromo de Botucatu

 

Foto: Bianca Camargo/Solutudo

Morreu na tarde desta sexta-feira, 12, Idelfonso Raimundo Cardozo, de 65 anos, o famoso Índio de Botucatu. Ele tinha uma banca Centro Comercial Popular Ângelo Garrido Fernandes, o camelódromo da cidade.

A informação de sua morte rodou os grupos de WhatsApp e redes sociais. O fato foi confirmado por um parente em publicação no Facebook.

“Hoje uma estrela brilha lá no céu, o Índio mais famoso de Botucatu como ele falava para mim, Soninha para os amigos, feio para os parentes. Meu sogro amado que não tinha tempo quente para, sempre feliz e divertindo os outros. Vai com Deus e saiba que sempre vai estar em nossa lembrança com esse sorriso”, disse o genro, postando uma foto em sua homenagem.

Mac Suara (nome de batismo indígena) estava estava há semanas internado no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu. Ele lutava contra a Covid-19, segundo informação de familiares.

Da tribo Kadwel, Mac Suara nasceu no Mato Grosso do Sul e veio muito jovem para Botucatu, onde residia e trabalhava há quase 40 anos. Ele ficou famoso por trabalhar no camelódromo, primeiro em uma barraca na Praça da Bosque e depois no complexo comercial da Rua Curuzu.

Durante décadas vendeu ervas medicinais, se tornando uma das figuras mais conhecidas de Botucatu. Seus produtos eram tirados da natureza. Seus produtos ajudaram milhares de pessoas em Botucatu e outras cidades.

“O índio não morria de doença. Ele tirava tudo que precisava do mato, mas não conhecia doenças como a gripe, por exemplo. Deixei minha tribo para me aventurar no mundo e passei a usar meus conhecimentos com as ervas viajando por diversas cidades. Cheguei em Botucatu há 30 anos e daqui não saí mais”, disse Mac Suara em uma entrevista para o Acontece Botucatu em 2013.

 

Notícia atualizada às 18h41