Câmara aprova projeto que institui o ’27 de agosto’ como Dia do Psicólogo em Botucatu

Duas denominações de rua e uma nova data no Calendário Oficial do Município foram aprovadas por unanimidade na sessão ordinária de 30 de agosto na Câmara de Botucatu.

De iniciativa do vereador Lelo Pagani (PSDB), o projeto de lei 38/2021 batizou de José Antonio Correa Neto a Rua V do Residencial Mirante da Serra. Já o vereador Abelardo (Republicanos) apresentou o projeto de lei 39/2021, que denominou de Waldomiro de Oliveira (Mirão) a Rua 9 do loteamento Vida Nova Botucatu.

Em ambas as discussões, a biografia dos homenageados foi lida, uma vez que denominações de logradouros públicos funcionam justamente como tributo a munícipes já falecidos, além de proporcionarem um CEP às novas ruas da cidade.

Já a vereadora Rose Ielo (PDT) foi a autora do projeto de lei 44/2021, que instituiu o Dia do Psicólogo em Botucatu. Agora, ele passa a constar no Calendário Oficial de Eventos do município no dia 27 de agosto.

Durante o debate da matéria, a vereadora explicou que a data já é comemorada nacionalmente, mas trazê-la para o âmbito municipal também é importante, pois dá forças para conferir maior visibilidade e reconhecimento a estes profissionais por meio de “diversas atividades de valorização da categoria, em parceria com o poder público, entidades sociais e iniciativa privada”. A autora ainda abordou a luta dos psicólogos para ter carga horária diferenciada e seu papel “imprescindível” durante a pandemia.

Expediente com votação à parte de moção

No Pequeno Expediente, o plenário encaminhou cinco indicações e aprovou um voto de pesar, 16 requerimentos e seis moções. Entre elas, estava a moção nº 100, do vereador Abelardo, que foi colocada em votação separada a pedido do vereador Lelo Pagani.

Tratava-se de uma moção de Repúdio ao Governador do Estado de São Paulo, João Doria, pelo afastamento do Comandante do Comando de Policiamento do Interior/7, pelos motivos de censura e licença à liberdade de expressão em manifestação de apoio ao Presidente da República, Jair Bolsonaro, e contestando o Supremo Tribunal Federal.

Votaram favoráveis à moção os vereadores Abelardo, Cláudia Gabriel (DEM), Marcelo Sleiman (DEM), Erika da Liga do Bem (Republicanos), Sargento Laudo (PSDB) e Silvio (Republicanos). Votaram contra os vereadores Alessandra Lucchesi (PSDB), Cula (PSDB), Lelo Pagani (PSDB) e Rose Ielo (PDT). O presidente da Câmara, vereador Palhinha (DEM) não vota. Após diversos parlamentares justificarem seus posicionamentos, ela foi aprovada por seis votos a quatro.

Já no Grande Expediente, utilizaram seu tempo de fala os vereadores Palhinha, Lelo Pagani, Sargento Laudo, Erika da Liga do Bem, Marcelo Sleiman, Cula, Alessandra Lucchesi, Abelardo, Silvio e Rose Ielo.