Frota de Botucatu ultrapassa os 105 mil veículos em 2020

Frota do munícipio supera os 105 mil veículos (Foto Acontece Botucatu)

Que Botucatu tem um trânsito complicado, todo mundo sabe. A cada dia surgem mais reclamações pelos mais diversos motivos, como falta de educação, vias apertadas, entre outros. Mas talvez um fator seja determinante para essa sensação de piora durante os anos: o aumento da frota.

O Acontece Botucatu fez uma consulta ao DENATRAN sobre as estatísticas de nossa cidade em todas as categorias de veículos e os números chegam a espantar, principalmente se levarmos em conta que a estrutura viária da cidade pouco evolui.

Nos últimos 20 anos a frota de veículos cresceu mais de 260%. Em 1998, por exemplo, tínhamos menos de 40 mil veículos registrados no município. Hoje nossa frota, contando todas as categorias, é de 105.282 veículos.

Esse número representa um aumento de aproximadamente 5% com relação ao ano anterior, quando tínhamos pouco mais de 100 mil veículos. Com uma população estimada d 148 mil habitantes, a média é 0,71 veículo por habitante.

Os dados foram contabilizados até agosto de 2020 pelo DENATRAN. É válido destacar que a frota de veículos muda constantemente, já que da mesma forma que veículos zero km ou vindos de outras localidades são incorporados, alguns são transferidos do município/Estado de São Paulo para outras cidades.

Hoje a frota de Botucatu é composta da seguinte forma, somente com as principais categorias de veículos:

Carros – 64.534

Caminhões – 1900

Tratores – 384

Caminhonetes – 8021

Motocicletas – 17.613

Ônibus – 478

Utilitários – 901

Em termos comparativos, veja os números de 2019

Carros – 62.097

Caminhões – 1878

Tratores – 365

Caminhonetes – 7.646

Motocicletas – 16.534

Ônibus – 476

Utilitários – 761

Estrutura que não acompanhou o crescimento 

A frota quase triplicou em 20 anos, mas a estrutura viária de Botucatu pouco mudou. As obras mais expressivas nesse período foram a duplicação das Rodovias Domingos Sartori e Antônio Butgnoli, que ligam Botucatu à Rubião Junior e mais recentemente o anel viário na zona leste da cidade.

Considerado ponto nevrálgico do trânsito em Botucatu, a ligação área central e região norte teve apenas o alargamento do viaduto na Major Matheus em 1999 como alternativa. Essa área concentra bairros populosos como a Vila dos Lavradores. O viaduto que liga os bairros Jardim Cristina e Jardim Paraíso é uma esperança para desafogar o fluxo dessa região.

Outro ponto crítico é a Avenida Dante Delmanto. Em horários de pico recebe o fluxo da Antônio Butignoli na volta da Unesp e Marechal Rondon. O comércio ali cresceu, o número de alunos, funcionários e pacientes da Unesp aumentou e a via pouco apresentou de alternativas nas últimas duas décadas.

Esses são apenas alguns exemplos de uma cidade que pouco foi estimulada para se expandir nos últimos anos. Apenas entre 2012 e 2014 houve demanda para a extensa área que margeia a Rodovia João Hipólito Martins, com as construções do Fórum e Shopping Botucatu respectivamente.