Assinado convênio de 4,3 milhões com o Governo de SP para reconstrução de pontes em Botucatu

Foi assinado na tarde desta segunda-feira, 09, um convênio entre o Governo Estadual e o município de Botucatu para a reconstrução de pontes que foram destruídas em Botucatu após a chuva no dia 10 de fevereiro. A formalização ocorreu no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

As pontes da Rua Rafael Sampaio, Petrarca Bacchi e Rua dos Costas serão reconstruídas com o valor de R$ 4,3 milhões desse convênio. Ainda há mais R$ 2 milhões de outros convênios que também serão destinados para obras de recuperação na cidade.

“Este documento nos garante os investimentos necessários para reconstruirmos as pontes desses três locais, que na área urbana foram os mais prejudicados pela chuva. Agradeço todo o trabalho realizado pelos nossos servidores, que em tempo recorde projetaram as novas pontes e toda a documentação. Também não posso deixar de agradecer o apoio do Deputado Federal Samuel Moreira, do Deputado Estadual Fernando Cury, do Coronel Nyakas e toda a equipe da Defesa Civil do Estado, e também a sensibilidade do nosso governador João Doria, do vice-governador Rodrigo Garcia e do Secretário Marco Vinholi”, afirmou Mário Pardini.

Estiveram na assinatura do convênio o Deputado Federal Samuel Moreira, o Deputado Estadual Fernando Cury e Walter Nyakas Júnior, Secretário-Chefe da Casa Militar e Coordenador da Defesa Civil do Estado.

Obras na Rafael Sampaio

A Sabesp, em parceria com a Prefeitura, já iniciou a instalação de muros de gabião nas margens do Rio Lavapés, no trecho da Rua Rafael Sampaio. Além de darem suporte ao talude onde está implantada uma adutora de abastecimento de água, os muros também darão suporte à nova ponte que será construída no local.

“Além da adutora, existe um emissário de esgoto da Sabesp, que passa paralelo ao rio e tem que ser protegido. A empresa responsável pela obra já começou também a limpeza da calha do Rio, que acumulou bastante entulho e material vegetal”, citou Pardini.

Os muros de contenção terão 3,5 metros de altura, e serão implantados ao longo das margens, sob o tabuleiro da futura ponte. Com a mudança, a calha do rio terá 15 metros de comprimento, o que será compatível com as exigências hidráulicas para o local.