Projeto que incentiva leitura recebe investimento de R$ 300 mil

Por intermédio do jornalista Carlos Pessoa, responsável pela administração da pasta da Secretaria de Comunicação da Prefeitura Municipal veio a informação de que aconteceu a confraternização com as estagiárias do curso de Pedagogia, que em parceria com o CIEE, realizaram trabalho de estágio de Docência Curricular junto a rede municipal de ensino. O evento foi na sede da Secretaria de Educação. A Sala de Teleconferência esteve lotada de diretoras, coordenadores, professores, agentes de atividades escolares e estagiários. O evento também foi prestigiado pelo prefeito João Cury Neto e pelo secretário municipal de Educação, Narcizo Minetto Júnior.

Em seu discurso, a orientadora pedagógica Alessandra Luchesi de Oliveira, relembrou a introdução do estágio junto a rede, em 1996, a parceria firmada com o CIEE, em meados de 2005 e que a atual administração se consolidou, dobrando o número de estagiários que hoje atuam em todas as unidades escolares, em dois períodos. “Fico muito feliz com a qualidade do trabalho das estagiárias que passaram por sua prova de fogo, enfrentando a sala de aula”, afirmou.

Mônica Beatriz dos Santos Santana, estagiária da EMEF Antenor Serra, destacou que os meses dedicados ao estágio foram de grande valia já que pode exercitar, na prática, os conceitos teóricos adquiridos na faculdade. “Quando a gente vai para a sala de aula vê que a responsabilidade é muito grande ao deparar com uma série de situações que dificultam a aprendizagem. Acho que nós, estagiárias, aprendemos mais do que as crianças. Agradeço a confiança depositada em nós, que serviu para reforçar a certeza de que somos capazes”, disse.

A chefe da Divisão de Ensino, Vânia Cristina Fioravante, em breves palavras, agradeceu e destacou a importância do trabalho das estagiárias. “É uma experiência rica que vocês levarão pelo resto de suas vidas. Espero que, em breve, vocês possam passar no concurso e sejamos colegas de trabalho”.

{n}Livros{/n}

No mesmo evento também aconteceu a entrega de kits de livros paradidáticos (leituras complementares) que foram adquiridos pela Secretaria Municipal de Educação. O material beneficiará os alunos da Educação Infantil e séries iniciais do Ensino Fundamental de todas as unidades da rede municipal.

Para viabilizar o projeto, a Prefeitura investiu cerca de R$ 300 mil na compra de livros, mobiliário e “Cantinhos de Leitura” para serem instalados nas salas de aula. Darcila de Fátima Bozoni, bibliotecária da Secretaria Municipal de Educação, revelou que havia carência de livros com histórias curtas e letras bastão para atender, principalmente, os chamados “leitores iniciais”. Os 46 títulos escolhidos pela equipe pedagógica levaram em conta os padrões de qualidade e faixa etária contemplada, além de atenderem a reforma ortográfica.

“Não existe livro ruim ou bom. Existe a necessidade do leitor. Com esse investimento vamos melhorar o ensino e a aprendizagem. Nesse processo, é preciso valorizar a atuação dos agentes de atividades escolares. A idéia da Secretaria de Educação é implantar bibliotecas em todas as unidades de ensino infantil e transformar Botucatu em uma cidade de leitores”, declarou a bibliotecária.

O Agente de Atividades Escolares, Davi Luis da Silva, da EMEF Dr. Cardoso de Almeida, enfatizou que é uma honra participar desse processo de valorização da leitura. “Pudemos trocar informações com outras unidades escolares, enriquecer nosso currículo e sentir a importância dos agentes na rede, que fazem parte da equipe de educadores que buscam formar leitores críticos e conscientes”, comentou.

Quanto ao trabalho desenvolvido pelas estagiárias, o secretário de Educação, Narcizo Minetto Júnior, defendeu uma revolução na área de Pedagogia, dizendo que educação não se faz apenas na teoria. “A prática tem que ser exercitada constantemente. Só posso agradecer aos estagiários pelo profissionalismo. Com diploma ou sem diploma vocês são verdadeiros educadores”.

Em relação a distribuição de kits de livros paradidáticos, Minetto disse que os agentes de atividades escolares estão dando uma lição de como se educar através dos livros. “A esperança de uma nação, de uma cidade, se chama educação. Em relação a leitura, não basta colocar os livros nas prateleiras. Criança deve ter prazer em ler”.

Encerrando os discursos, o prefeito João Cury declarou que o governo tem grandes desafios a vencer e um deles é mostrar que a educação vai além do contato em sala de aula. Valorizou o fato da educação de Botucatu ter sido premiada, pelo segundo ano consecutivo, entre as 100 melhores do Brasil e agradeceu parceiros como o CIEE e a ABEM. “Em nossa passagem pela prefeitura queremos deixar conceitos e princípios que ficarão para a administração. Não devemos mais aceitar segmentação na educação para definir quem é educador. Quem cuida da merenda, na limpeza, no transporte escolar, também educa. Todos devem ser vistos e reconhecidos como educadores”.

E citou a importância do compromisso dos profissionais com o trabalho que desenvolvem dando o exemplo da diretora Kátia Silene Sardinha, da CEI Maria de Lourdes Torres Sardemberg, que durante a greve que atingiu uma parcela do funcionalismo foi cozinhar para os alunos. “No meio da tempestade nós descobrimos uma pérola como a Kátia. É isso que temos que fazer, lutar pelas pessoas, pela gente de Botucatu. Estou com o coração transbordando de alegria por participar de um momento como esse”.

Ao final do evento foi feito a entrega dos kits de livros paradidáticos aos representantes das unidades escolares e dos certificados ? s estagiárias. A ABEM (Associação do Bem Estar) e o Grupo de Teatro Chafariz fizeram a apresentação da peça “Fabulosas”, contação de históricas cênicas que percorrerá as escolas de ensino fundamental, desenvolvendo o estímulo ? leitura.

Foto: Divulgação