Pesquisa avalia distúrbios vocais em crianças

Uma pesquisa que pretende determinar a incidência de distúrbios vocais (disfonias) em crianças de quatro a 12 anos está sendo desenvolvida por pesquisadores da Disciplina de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB). Serão aplicados aproximadamente 2.500 questionários nas escolas públicas e privadas de Botucatu para saber sobre a saúde vocal dos alunos e posteriormente a fonoaudióloga avaliará os resultados. A intenção é determinar a incidência de disfonia em escolares e esclarecer o diagnóstico do distúrbio vocal.

As crianças que apresentarem alterações nessas avaliações serão encaminhadas para exames otorrinolaringológicos. Essa pesquisa é tema do trabalho de doutorado da fonoaudióloga Elaine Lara Mendes Tavares, orientada pela professora Regina Helena Garcia Martins, do Departamento de Oftalmo e Otorrino da FMB.

Segundo professora Regina Martins, na segunda fase da pesquisa será analisada, com a ajuda de computador, a qualidade vocal das crianças cujos pais responderam ao questionário. A estimativa é que retornem cerca 1800 a 2000 questionários, correspondendo ao número de crianças que deverão ser incluídas neste estudo para os cálculos estatísticos.

“Os exames constarão de exame otorrinolaringologia geral e exame detalhado de laringe por meio de videolaringoscopia. Desta forma, é possível esclarecer o diagnóstico da disfonia (alteração vocal) apresentada pela criança com muito critério. É importante ressaltar nosso compromisso profissional com essas crianças, garantindo acompanhamento e tratamento a todas que apresentarem alterações nas avaliações fonoaudiológicas e otorrinolaringológicas”, reforça.

Em 2010, essa pesquisa foi selecionada para receber auxílio financeiro através de bolsa de pesquisa da ABORL-CCF (Associação Brasileira de Otorrionolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial) e publicação do trabalho no Brazilian Jorunal Otorrinolaryngology. “Acreditamos que os dados coletados neste estudo serão de extrema importância para a laringologia uma vez que o tamanho amostral é grande e bastante representativo, condições essenciais para os estudos epidemiológicos”, declara professora Regina.

O projeto já está em andamento, sendo que a distribuição dos questionários nas escolas e a complementação das avaliações fonoaudiológicas e otorrinolaringológicas deverão estar completas até o início de 2011. A partir de então será feita a análise dos resultados e redação final da pesquisa para publicação

No momento, a fonoaudióloga tem visitado as escolas diariamente, coletando os questionários que retornaram dos pais e realizando as avaliações das qualidades vocais daquelas que já responderam. As crianças com alterações nessas avaliações estão sendo examinadas nos ambulatórios de Distúrbios da Voz da Faculdade de Medicina de Botucatu (Unesp), realizados semanalmente, sob orientação da professora Regina.

Todas as crianças que apresentam alterações nas avaliações têm sido acompanhadas e recebido orientações fonoaudiológicas. Algumas crianças com lesões em pregas vocais com indicação cirúrgica têm sido submetidas ? microcirugia de laringe no Hospital das Clínicas da FMB.

Fonte e foto:
Assessoria de Comunicação e Imprensa da FMB e HC/Unesp