Limpeza pública terá mais 5 caminhões e 300 lixeiras

O novo Sistema Integrado de Limpeza Urbana de Botucatu agora está a cargo do Consórcio Botucatu Ambiental, formado pelas empresas Revita Engenharia S/A e Monte Azul Engenharia LTDA, vencedor da concorrência pública. O contrato é válido pelo prazo de 24 meses. O investimento mensal da Prefeitura de Botucatu será de pouco mais de R$ 1 milhão.

As primeiras novidades já estão nas ruas: cinco caminhões Volkswagen (modelo 17-190), zero quilometro e equipados com GPS começaram a operar na coleta de lixo convencional, em dois períodos do dia. Todos com a logomarca do Coleta Mais, nome do novo programa que abrange os serviços de limpeza pública e ações de educação ambiental do Município. 

Os principais corredores comerciais da Cidade também já estão recebendo a instalação de 300 novas lixeiras, conhecidas também como “papeleiras”, com cerca de 50 litros de capacidade. Elas estão adesivadas com frases educativas como “Jogue limpo com Botucatu”, “Botucatu mais limpa”, Mantenha a Cidade limpa” e “Lugar de lixo é na lixeira”, justamente com objetivo de conscientizar a população. Uma nova máquina também está auxiliando o serviço de varrição.

O Aterro Municipal, que já foi alvo de multa da Cetesb em 2004 por manter uma operação inadequada, é outro que sentirá os reflexos desta nova proposta de trabalho. Em março de 2011 a Prefeitura assinou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) junto ao Ministério Público e nos últimos anos o aterro tem recebido as adequações necessárias para que possa ser utilizado pelos próximos 20 anos, sem que o meio ambiente seja prejudicado.

“Antes, quatro caminhões faziam a coleta. Hoje são cinco, em dois períodos do dia (7h às 15h40 e das 16h às 00h20), tanto na área urbana quanto rural. Para este fim de ano não teremos mudanças, mas para o início de 2015 poderemos fazer alguns ajustes de itinerário para melhorar a logística. O importante é que agora teremos condições de monitorar o serviço em tempo real, saber se determinado caminhou quebrou ou por algum motivo deixou de passar em um bairro. A população pode ter a certeza que cobraremos da empresa terceirizada qualidade no serviço”, enfatiza o secretário municipal de Obras, André Peres.

 

Reciclagem

Mas a principal novidade fica por conta da coleta seletiva. A partir do próximo dia 8 de dezembro o serviço “porta a porta” terá início pela região Norte. A equipe designada passará uma vez por semana para o recolhimento do lixo. A expansão às demais regiões será feira gradativamente, sempre acompanhada de ações de educação ambiental para informar a população sobre a melhor forma de aderir à coleta seletiva.

“A população precisa de toda instrução, pois algumas pessoas ainda acham que a coleta seletiva é um bota fora. É preciso primeiro conscientizar que a coleta seletiva não irá recolher sofás, geladeiras ou outros materiais volumosos que não sejam vidro, papel, plástico e metal”, esclarece Fernanda Bernardi, chefe da divisão de Coleta Seletiva pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

Além do porta a porta, a Cidade passará a contar com Pontos de Entrega Voluntária (PEVs) espalhados em pontos estratégicos. São contêineres com cerca de mil litros de capacidade, autoexplicativos, e com entradas divididas para vidro, papel, plástico e metal. Inicialmente serão instalados seis de um total de 30 PEVs previstos até 2015. Para cada um deles também será reservado um dia da semana para que o material seja reciclado.

Outra mudança é que a coleta seletiva não será mais realizada pela Cooperativa de Agentes Ambientais, que ficará concentrada na triagem do material e coletas pontuais em empresas da Cidade. Estima-se que a expansão do serviço, inicialmente, dobrará o volume de material recolhido que era de 50 toneladas. Isso consequentemente refletirá numa melhora na renda dos agentes ambientais.

 

Ambiental

Paralelamente a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, em parceria com a Secretaria de Municipal de Educação, deu início neste segundo semestre às atividades de educação ambiental do Coleta Mais em seis escolas de Botucatu: Elda Moscogliato (antiga Cesp – região Sul), Leonor Bicudo Vizenzzoto (Jardim Cambuí – região Norte), Creche Criança Feliz / Projeto Crescer (Jardim Peabiru – região Leste), Francisco Guedelha (Parque Marajoara – região Oeste), Cieeja (Vila Carmelo – região Norte), e Antenor Serra (Cohab 1 – região Sul).

O projeto piloto, que será expandido a outras unidades de ensino para 2015, busca estimular que alunos sejam multiplicadores do hábito de separar o material reciclado do lixo comum e praticar a política dos 5 R´s: repensar, reduzir, recusar, reutilizar, e reciclar.

Vale salientar que as escolas não são pontos de entrega voluntária, abertos à comunidade. Mas semanalmente caminhões da Botucatu Ambiental farão o recolhimento dos resíduos (materiais recicláveis) produzidos nas mesmas.