FCA promove aula do novo curso de graduação

No auditório Paulo Rodolfo Leopoldo, na Fazenda Lageado, aconteceu a Aula Inaugural do curso de Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia, novo curso de graduação da Unesp, câmpus de Botucatu.

Foram realizadas duas palestras. O professor Edivaldo Domingues Velini, ex-diretor da Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA), atual diretor presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Unesp (Fundunesp) e um dos principais articuladores para a criação do novo curso, falou sobre o perfil profissional, as competências, as habilidades, as perspectivas e as áreas de atuação do Engenheiro de Bioprocessos e Biotecnologia.

Na sequencia, aconteceu a palestra de Jorge Vicente Lopes da Silva, coordenador da Divisão de Tecnologias Tridimensionais do Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI). Ele mostrou aplicações de novas tecnologias e produtos desenvolvidos no CTI, relacionados ao tema Bioprocessos e Biotecnologia.

Na abertura da solenidade, o professor João Carlos Cury Saad, diretor da FCA, parabenizou o professor Velini pelo empenho na concretização do projeto do novo curso e ressaltou a importância do esforço conjunto das quatro unidades da Unesp em Botucatu para sua implantação. “É um motivo de muita alegria a realização desse sonho. Essa conquista foi fruto do esforço de uma grande equipe. É um marco para as unidades envolvidas e um exemplo para futuras iniciativas”.

O vice-diretor da FCA, professor Carlos Frederico Wilcken também agradeceu o professor Velini e parabenizou os estudantes pela escolha do curso. “Não é apenas um curso novo, mas uma profissão nova que está em crescimento no mundo. E com certeza vocês participarão desse cenário”. O professor também anunciou o início de tratativas para a criação de um curso de pós-graduação em Engenharia de Bioprocessos, envolvendo as três unidades da Unesp que trabalham com essa área.

Após as apresentações, os palestrantes responderam perguntas do público presente. O professor Velini ressaltou o caráter transdisciplinar do novo curso. “A divisão entre as ciências só existe na academia. No mundo natural é impossível fazer essa separação. Nossos alunos e professores terão que estar o tempo todo pensando em como articular esses conhecimentos”. E aconselhou os novos estudantes a dedicarem muita seriedade ? sua formação. “Trabalhem com muita seriedade. Hoje não temos mais espaço para pessoas que conhecem superficialmente os assuntos e as matérias. Se eu pudesse lhes dar um conselho seria: estudem e conheçam profundamente cada matéria”.

Por sua vez, o pesquisador Jorge Vicente Lopes da Silva comentou o currículo do novo curso, que classificou como “desafiador”. “Gostei especialmente da formação básica que será conferida aos estudantes. Isso me parece muito bem delineado. As matérias básicas devem ser conhecidas para a formação de profissionais completos. O curso formará pessoas com visão generalista e ampla. São essas que nós precisamos”.

Da Assessoria