Escola de Botucatu fica entre as melhores do País

O Ministério da Educação divulgou, no final do mês de agosto, as notas da Prova Brasil, aplicadas no ano de 2011 para avaliar o Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica). De acordo com os dados do Ministério, Botucatu atingiu as metas projetadas pelo Governo Federal nas três últimas edições da avaliação.

Em 2001, a meta projetada pelo MEC para o Município era de 5.5. Entretanto, as escolas botucatuenses, no geral, já alcançaram a média 5.6, ultrapassando a meta projetada e também a média nacional do Ideb, que foi de 5.0.

A Escola Municipal de Ensino Fundamental e Educação Infantil “Prof. Luiz Carlos Aranha Pacheco”, localizada no Jardim Paraíso, destacou-se como uma das melhores do Estado e do País. Os 75 alunos do quinto ano da escola que participaram da avaliação alcançaram a nota 7.1. Segundo a diretora Lucilene Alves da Silva Cota, a conquista é resultado de um trabalho educacional integrado, que busca constantemente o desenvolvimento de seus aprendizes.

“Em 2005, primeiro ano em que participamos da prova, nossa nota foi 5.7. Em 2007, já passou para 6.3. No ano de 2009, obtivemos a nota 6.9 e agora, em 2011, alcançamos 7.1. Isso mostra que o nível de ensino da nossa escola vem mantendo o índice de crescimento, o que é gratificante. Acredito que isso seja fruto do grande trabalho realizado pela nossa equipe de professores e funcionários, que são integrados e profundamente comprometidos com a educação”, ressalta.

A escola, municipalizada no ano de 2000, foi uma das pioneiras na implantação de projetos na Cidade. Os alunos podem frequentar, além das disciplinas obrigatórias, aulas de dança, flauta, futsal, judô, xadrez, reforço, entre outras. O local conta, ainda, com sala de computação e horta.

Também destacaram-se em Botucatu as seguintes escolas: Emef. “Angelino de Oliveira”, com Ideb 6.8; Emef. “Dr. Cardoso de Almeida”, com 6.4; Emef. “Rafael de Moura Campos”, com 6.3; Emef. “Prof. José Antonio Sartori”, que obteve nota 6.0; e Emef. “Prof. Martinho Nogueira”, também com 6.0.

Para o supervisor de Educação, Adalto de Jesus Pereira, o importante é promover a integração entre todas as escolas, para que suas equipes possam trocar experiências, fazendo com que todas alcancem a excelência no ensino.

“As escolas que obtiveram resultados positivos devem repassar ? s demais os procedimentos realizados no planejamento pedagógico, os quais contribuíram para esse avanço. A ideia principal consiste em dividir os conhecimentos e técnicas, a fim de que todos tenham em mãos as mesmas ferramentas que possibilitem alcançar a qualidade excelente no ensino”, explica.

Sobre o Ideb – O Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) foi criado em 2007 para medir a qualidade de cada escola e rede de ensino. O indicador é calculado com base no desempenho do estudante em avaliações do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) e em taxas de aprovação, como índices de evasão e repetência. Assim, para que o Ideb de uma instituição de ensino cresça é preciso que o aluno aprenda, não repita e frequente a sala de aula.

A Prova Brasil é aplicada a cada dois anos somente para alunos de quinto a nono anos, ocorrendo um rodizio de estudantes das séries iniciais e finais, com um histórico de rendimento escolar variado. O objetivo é que o País, a partir do alcance das metas municipais e estaduais, obtenha nota 6.0 até 2022, correspondente ? qualidade do ensino em países desenvolvidos.

Por fim, é oportuno lembrar que o Ideb é um índice que permite aos sistemas públicos de educação traçar estratégias e definir políticas educacionais que visem a corrigir os problemas detectados, de ordem pedagógica e administrativa. Nesse sentido, a Secretaria Municipal de Educação, atenta aos números elencados, tem definido metas para enfrentar problemas encontrados.

{n}Notas alcançadas pelas escolas no Ideb 2011{/n}

Emef. “Prof. Américo Virgínio dos Santos” – 4.9
Emef. “Angelino de Oliveira” – 6.8
Emef “Antenor Serra” – 5.5
Emef. “Dr. Cardoso de Almeida” – 6.4
Emef. “Conjunto habitacional dos Comerciários” – 5.8
Emef. “Profa. Elda Moscogliato” – 4.6
Emef. “Prof. Francisco Guedelha” – 3.9
Emef. “Dr. João Maria Araújo Jr.” – 5.5
Emef. “Prof. João Queiroz Marques” – 4.8
Emef. “Prof. José Antonio Sartori” – 6.0
Emefei. “Prof. Luiz Carlos Aranha Pacheco” – 7.1
Emef. “Prof. Luiz Tácito Virgínio dos Santos” – 4.5
Emef. “Prof. Martinho Nogueira” – 6.0
Emef. “Profa. Nair Amaral” – 5.4
Emef. “Prof. Paulo Guimarães” – 5.1
Emef. “Rafael de Moura Campos” – 6.3
Emef. “Prof. Raymundo Cintra” – 5.5