Diagnóstico arqueológico é iniciado no Parque da Marta

Teve início nesta quarta-feira (22) o diagnóstico arqueológico interventivo do Parque Natural da Cachoeira da Marta. O serviço é uma exigência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que deverá dar um parecer positivo para a viabilização da tão aguardada obra de readequação da infraestrutura do local. O Parque da Marta é dos principais atrativos turísticos de Botucatu que está interditado desde o final de 2009, quando fortes chuvas causaram desmoronamentos e colocaram em risco sua utilização.

O  diagnóstico arqueológico é realizado pela Tecon Técnica e Consultoria, da cidade de Curitiba (PR), vencedora da Tomada de Preço [12.610/2014], pelo valor de R$ 14,5 mil. A previsão é que os trabalhos in loco sejam concluídos até esta sexta-feira (24). 

“São feitas sondagens de 1,10m a 1,20m de profundidade, com distâncias de 50 metros cada uma, apenas na área que haverá intervenção, cerca de 3 mil metros quadrados. Qualquer objeto que tenha valor histórico deverá ser registrado e informado ao Iphan. Acredito que em 15 ou 20 dias este relatório estará pronto para ser enviado ao instituto”, informa Isaac Santos, arqueólogo da empresa contratada.

 

Sobre a revitalização

 

Os recursos de R$ 1,6 milhão, para que tal obra seja viabilizada, será repassada pela Secretaria Estadual de Justiça e da Defesa da Cidadania, via Fundo de Interesses Difusos (FID) – formado pelas multas impostas àqueles que violam o meio ambiente.

A Prefeitura entrará com contrapartida de R$ 132 mil no projeto, que prevê a construção de um centro de educação ambiental [com sala audiovisual], lanchonete, estacionamento, mirante e mais de 1,5 km de trilhas com corrimões de madeira, tudo com condições de acessibilidade. A intenção da Secretaria Municipal de Meio Ambiente é que, assim que for licitada, a obra seja concluída no prazo de 12 meses.

“A criação do Parque Natural Cascata da Marta é de 2002 e desde então nenhuma melhoria foi feita no local. Readequar o parque era um compromisso do prefeito João Cury, que agora irá virar realidade. O local irá receber toda a infraestrutura necessária, com toda segurança aos visitantes e garantindo a preservação dos 16 hectares de mata nativa que cerca os 40 metros de queda da cachoeira. Com certeza é um presente não apenas ao Meio Ambiente como também ao Turismo de Botucatu, que será alavancado”, garante o secretário municipal de Meio Ambiente, Perseu Mariani.