Alunos deficientes terão atendimento de primeiro mundo

Fotos: Divulgação

A Secretaria de Educação de Botucatu inaugurou na manhã desta quinta-feira (22) a sala multissensorial Snoezelen no prédio do Cieeja – Centro de Integração de Educação Especial para Jovens e Adultos. O espaço consiste em novo método para o atendimento de alunos com graves deficiências (encefalopatias, deficientes intelectuais severos e transtornos invasivos de desenvolvimento).

A cerimônia contou com a presença do prefeito João Cury Neto; secretária adjunta de Educação, Vânia Fioravante; coordenadora de Apoio Pedagógico Especializado, Mirian Camargo; assessor em Políticas de Inclusão Social, Paulo Malagute; e a diretora do Cieeja, Patricia Guilarde. No evento também estiveram presentes os alunos da unidade escolar, familiares e educadores.

A nova metodologia holandesa denominada Snoezelen foi adquirida pela Secretaria Municipal de Educação por meio de uma franquia social da AMCIP – Associação Mantenedora do Centro Integrado de Prevenção, com sede em Curitiba (PR). A aquisição da franquia autoriza e capacita os profissionais para atuar dentro da metodologia.

O Snoezelen é uma metodologia de trabalho que se destina a providenciar um ambiente multissensorial estimulante, onde as pessoas podem relaxar, interagir com os outros, passar algum tempo isolados, experimentar sensações e objetos ao seu ritmo, consoante a sua vontade e curiosidade, mas devidamente acompanhadas pelo terapeuta.

A metodologia oferece aos alunos um ambiente altamente motivador para desfrutar estímulos sensoriais por meio de atividades que são significativas e adequadas. A sala típica de Snoezelen contém materiais como: luzes psicodélicas, aparelhagem de som, bola de espelhos, lâmpadas aromáticas, colunas borbulhantes, piscina de bolas, pufes, colunas de ar, espelhos convexos, colunas tácteis, projetor de luz (rotativo ou estático), fitas de néon com espelho, óleos essenciais, painéis de cores, livros, jogos, difusores, colchões de vibração e massagem, almofadas, mantas e fibras ópticas.

{n}Estimulando os sentidos{/n}

De acordo com a diretora do Cieeja, Patricia Guilarde, quatro profissionais do Centro foram instrumentalizados dentro de um protocolo de atendimento, que inclui desde o encaminhamento até a avaliação de resultados da metodologia. “Os materiais presentes na sala de Snoezelen irão estimular os cinco sentidos dos alunos visão, tato, olfato, audição e paladar”, explica.

A coordenadora de Apoio Pedagógico Especializado, Mirian Camargo, ressalta que este é um trabalho inovador, mais uma alternativa que vem a somar para os alunos do Cieeja. “A implantação da sala Snoezelen vem ao encontro do perfil inclusivo que o Centro vem imprimindo no município de Botucatu, pois possibilitará, além do atendimento de alunos com graves deficiências da própria unidade, a abertura das portas ? s escolas regulares, com o atendimento de alunos com déficit de atenção e a parceria de outras instituições do Município para o atendimento de alunos com queixas sensoriais, emocionais e comportamentais”, destaca.

O Snoezelen não está vinculado para um determinado perfil de pessoas. Pelo contrário, é aplicável a qualquer pessoa. No entanto é necessário que na sua abordagem terapêutica seja levada em consideração as diferenças individuais e variações na regulação dos estímulos sensoriais.

{n}Metodologia inédita{/n}

O assessor em Políticas de Inclusão Social, Paulo Malagute, enfatiza que este é um equipamento que vai atender pessoas de toda a Cidade, independente de suas classes sociais. “Esta sala é um equipamento de alta qualidade que tem como prioridade oferecer um atendimento diferenciado. A implantação desta metodologia com certeza é um ganho para nosso Município como política pública de inclusão social”, reforça.

O prefeito João Cury Neto em seu discurso mencionou que a implantação desta importante metodologia no Cieeja é inédita em uma prefeitura no Brasil. “Isso demostra a capacidade da nossa administração de inovar e implantar novos métodos saindo do que é tradicionalmente imposto. Esta sala vai servir para todos os alunos da rede municipal que possuem algum déficit. Além de oferecer melhor condições, as atividades têm como objetivo principal proporcionar qualidade de vida para essas pessoas.

Investir nesta sala é ver que o recurso público está sendo bem empregado e podemos afirmar que Botucatu é uma cidade que trabalha pela inclusão social”, finaliza.