Vigilância Ambiental em Saúde divulga balanço dos sete primeiros meses de 2016  


VIGILÂNCIA AMBIENTAL - EQUIPE - FOTO ARQUIVO

 De janeiro a julho a Vigilância Ambiental em Saúde (VAS) realizou em Botucatu 5,1 mil atendimentos à população. Eles compreendem o Plano Nacional de Combate às Arboviroses (dengue, zika e chikungunya); controle de zoonoses; controle de animais sinantrópicos; resgate e captura de animais silvestres e peçonhentos; controle populacional de cães e gatos; entre outros agravos e riscos à saúde pública.

Vale ressaltar que neste primeiro semestre, somente para o controle do Aedes aegypti, a VAS realizou 93 mil visitas a imóveis do Município. Também foram contratados mais 20 Agentes de Combate a Endemias para que o serviço tenha maior eficiência no atendimento e controle de zoonoses, atuando preventivamente, reduzindo os riscos e agravos à saúde pública.

1º Castrações

CANIL MUNICIPAL - FOTO ARQUIVO (18) (Custom)Em primeiro lugar estão as castrações promovidas pelo Canil Municipal. Foram 1.024 cirurgias de esterilização de cães e gatos. Trata-se de um procedimento importante para a redução do número de animais errantes e que, consequentemente, diminui o risco de transmissão de zoonoses para a população.

2º Casos suspeitos de dengue

Os casos suspeitos de dengue ocupam o segundo lugar com 731 notificações, que não são protocolos abertos, diretamente, pela população. A partir de uma notificação de caso suspeito, gerada pela rede pública ou privada de saúde, é desencadeada uma série de atividades de vigilância e controle do mosquito transmissor, o Aedes aegypti. Desses suspeitos, 105 casos foram confirmados (76 autóctones e 29 importados). Comparando-se o mesmo período de 2015 houve uma redução de 87% de casos positivos.

3º Enxames de abelhas e vespas

VIGILÂNCIA AMBIENTAL - MANEJO DE ABELHAS - FOTO ARQUIVOEm terceiro lugar destacam-se as ocorrências relacionadas à enxames de abelhas e vespas, totalizando 482 atendimentos. A VAS, em parceria com o Setor de Apicultura do Departamento de Produção Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da Unesp, realiza a captura de enxames de abelhas africanizadas da área urbana e rural do Município. Os enxames de abelhas e vespas que se encontravam em local de difícil acesso são encaminhados para o Corpo de Bombeiros.

4º Criadouros de dengue

Atendimentos relacionados a criadouros do mosquito Aedes aegypti estão em quarto lugar com 434 solicitações. São imóveis reclamados que contém recipientes que podem acumular água, tornando-se potenciais criadouros do mosquito transmissor das arboviroses.

 5º Animais soltos

Em quinto lugar estão os recolhimentos de animais soltos em via pública, que totalizaram 369 ocorrências. Bovinos, equinos, muares e caprinos, quando soltos em estradas, ruas ou rodovias, podem causar graves acidentes comprometendo a integridade física de homens e animais. Assim, seus proprietários podem responder criminalmente pelos danos causados. Os animais resgatados nestas condições são encaminhados ao Canil Municipal. Eles são retirados por seus proprietários mediante pagamento de taxas de apreensão e diárias.

6º Recolhimento de animais mortos

Animais mortos em via pública demandaram a Vigilância Ambiental fazer 318 recolhimentos. Animais de pequeno porte são recolhidos e encaminhados para incineração. Os animais mortos nas residências poderão ser encaminhados até o Canil Municipal por seus proprietários.

7º Animais silvestres

Em sétimo lugar aparecem os pedidos de resgate de animais silvestres, que tiveram 133 solicitações atendidas pela VAS. Os mesmos são encaminhados para o Centro de Medicina e Pesquisa em Animais Selvagens (Cempas) da FMVZ da Unesp.

8º Roedores

Problemas com roedores ocupam a oitava posição, com 130 solicitações. No período, a equipe da VAS realizou orientações necessárias aos proprietários dos imóveis para que o ambiente se tornasse impróprio aos roedores. Em alguns casos, dependendo do grau de infestação, optou-se por fazer a desratização (uso de raticidas) com critério e segurança.

9º Morcegos

Em nono lugar estão os resgates de morcegos, que chegaram a 113 pedidos. Os morcegos são animais silvestres protegidos por lei ambiental. Devem ser encaminhados para diagnóstico de raiva apenas aqueles que estejam em situação que indique alteração de comportamento, ou seja, caídos no chão, pousados em locais não habituais, ou voando durante o dia. Estas atitudes indicam que eles possam estar doentes e necessitam ser encaminhados para exame de raiva.

10º Maus tratos

Apoio à denúncia de maus tratos compreendem 105 solicitações, ocupando o décimo lugar. De acordo com legislação municipal e federal, expor qualquer animal ao sofrimento físico e emocional é considerado crime ambiental. A partir da abertura de Boletim de Ocorrência pelo denunciante e instaurado processo judicial, o criador, proprietário ou responsável por animais responderá, civil e criminalmente, pelos atos danosos cometidos ou provocados pelos mesmos. O Canil poderá ser acionado para execução de parecer técnico e apoio às forças policiais.

Serviço

Vigilância Ambiental em Saúde

Telefones (14) 3813-5055 / 150