Vigilância ambiental divulga números da dengue neste 1º trimestre

A Vigilância Ambiental em Saúde de Botucatu acaba de fechar os números da dengue deste primeiro trimestre de 2016. De janeiro a março foram confirmados 52 casos positivos do vírus transmitido pelo mosquito Aedes aegypti.

Destes, 20 são casos importados e outros 32 casos autóctones. Analisando as estatísticas por setor, foram registrados 16 casos na região norte (30,77%); 14 na região sul (26,92%); nove na região leste (17,31%), três na região oeste (5,77%) e dez na região central (19,23%).

No mesmo período de 2015 o Município registrou 290 casos, concentrados principalmente na região leste com mais de 40% dos casos. Ainda segundo a VAS, o que se observa é que neste ano não há uma região específica que ocorra surto ou área onde ocorra mais transmissibilidade da doença.

“O importante é que toda a Rede Municipal de Saúde, dos postos até os prontos-socorros, estão em alerta e notificando os possíveis casos. Vale enfatizar que 90% dos casos que chegam à Vigilância Ambiental são diagnosticados como negativos. Ainda assim, antes mesmo da confirmação ou não da doença, realizamos o bloqueio na região onde mora o paciente”, afirma Rodrigo Iais, diretor do Departamento em Planejamento em Serviços de Saúde.

“Toda a reestruturação que está sendo feito na Vigilância Ambiental, a contratação de 20 novos agentes de combate a endemias, a criação da Sala de Situação integrando diversos setores da sociedade no combate à dengue, além dos mutirões de limpeza do programa Meu Bairro de Cara Nova, são ações que têm gerado efeitos positivos. Mas precisamos contar com a colaboração permanente da população ao ano todo”, complementa.

Sintomas

Ao apresentar qualquer sintoma característico da dengue como febre alta, dor de cabeça, no fundo dos olhos ou nas articulações, a pessoa deve procurar atendimento médico imediatamente. Em caso de suspeita de dengue a Secretaria Municipal da Saúde, através da VAS, iniciará todas as atividades necessárias para evitar a transmissão da doença no Município.

Você sabia?

Para se ter ideia, um ovo de um mosquito da dengue consegue ficar mais de um ano grudado em um recipiente. Se essa superfície não for lavada adequadamente, com água e sabão, uma simples chuva pode fazer o ovo eclodir e surgir novos insetos em menos de dez dias. O Aedes aegypti mede menos de um centímetro, tem aparência inofensiva, cor café ou preta e listras brancas no corpo e nas pernas.

Dicas de combate ao mosquito e focos de larvas

• Manter a caixa d’água sempre fechada e vedada adequadamente

• Limpar periodicamente as calhas da casa

• Não deixar acumular água sobre lajes, imperfeições do piso e recipientes

• Lavar, com escova e sabão, a parte interna e borda de recipientes que possam acumular água (ex: bebedouros de animais)

• Não expor recipientes à chuva, deixando eles sempre em lugares cobertos e de cabeça para baixo

• Jogar desinfetante, detergente ou sabão em pó em ralos pouco utilizados

• Não deixar acumular água nos pratos dos vasos de plantas

Mais informações

Vigilância Ambiental em Saúde

Telefones (14) 3813-5055 / 150

Horário de atendimento: segunda a sexta-feira – das 7 horas às 16h30

(Ass. de Imprensa da Prefeitura)