Vigilância Ambiental computa 10 mil atendimentos

Para 2016, a VAS contará com o reforço em sua equipe, através de concurso público para incorporação de mais 20 agentes em caráter permanente para melhorar a eficiência no atendimento das solicitações da população, assim como força importantíssima no controle da dengue, zika e chikungunya

 

A Vigilância Ambiental em Saúde (VAS) de Botucatu acaba de fechar o balanço de atendimentos realizados ao longo de 2015. Foram mais de 10 mil atendimentos à população. Destaque para os 12 principais atendimentos:

 

Notificações de suspeita de dengue (1673)

Não são protocolos abertos, diretamente, pela população. A partir de uma notificação de caso suspeito, gerada pela rede pública ou privada de saúde, é desencadeada uma série de atividades de vigilância e controle do mosquito transmissor da dengue, o Aedes aegypti. Dessas notificações, 55% foram casos negativos.

 

Castrações (1438)

São procedimentos cirúrgicos em cães e gatos fundamentais para o controle de animais errantes, promoção do bem estar animal e manutenção da saúde pública. O Canil Municipal desenvolveu, também, diversas ações em bairros específicos para a conscientização sobre posse responsável, vacinação e vermifugação. 

 

Abelhas e vespas (992)

A VAS, em parceria com o Setor de Apicultura do Departamento de Produção Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Unesp, realiza a captura de enxames de abelhas africanizadas da área urbana e rural do Município. Os enxames de abelhas e vespas que se encontravam em local de difícil acesso, 4% das ocorrências, foram encaminhados para o Corpo de Bombeiros.

 

Criadouros do Aedes aegypti (607)

São imóveis reclamados pela população como suspeitos de conterem recipientes acumulando água parada, contribuindo à proliferação de mosquitos transmissores da dengue.

 

Recolhimento de animais mortos (508)

Animais de pequeno porte, mortos em via pública, são recolhidos e encaminhados para incineração. Os animais mortos nas residências poderão ser encaminhados até o Canil Municipal por seus proprietários.

 

Imóvel com falta de higiene (368)

Trata-se de atendimento a reclamações de imóveis com acumulo de fezes de animais, lixo, condições que causam incômodos e proliferação de animais sinantrópicos, ou seja, que se adaptam à vida humana e podem causar danos à saúde das pessoas como ratos, baratas e escorpiões.

 

Animal doente errante (292)

Recolhimento de animais suspeitos para alguma zoonose de relevância à saúde pública.

 

Resgate de morcegos (279)

As principais espécies que encontramos na área urbana são aquelas que se alimentam de insetos, frutos e néctar. Os morcegos que são resgatados caídos ou pousados em local não habitual são encaminhados para exame de diagnóstico de raiva. A VAS realiza trabalhos educativos sobre a importância dos morcegos no meio ambiente e na saúde pública, e orientação de desalojamento consciente de abrigos nas edificações.

 

Animal solto em via pública (278)

Bovinos, equinos, muares e caprinos, quando soltos em estradas, ruas ou rodovias, podem causar graves acidentes comprometendo a integridade física de homens e animais. Assim, seus proprietários podem responder criminalmente pelos danos causados. Os animais resgatados nestas condições são encaminhados para o Canil Municipal e serão retirados por seus proprietários mediante pagamento de taxas de apreensão e diárias.

 

Os cães e gatos quando têm acesso à rua, sem a companhia de seus proprietários, podem sofrer o ataque de outros animais, contraírem doenças, serem atropelados ou invadirem outras propriedades, causando incômodo ou acidentes. O Canil Municipal recolhe animais doentes, atropelados, que ofereçam risco a população, que não tenham seus proprietários identificados. Após assistência médico veterinária, os animais são colocados à adoção.

 

Problemas com ratos (272)

O que vai propiciar uma infestação de ratos em algum local é a oferta de alimento, abrigo e água existentes. A VAS realiza as orientações necessárias para tornar o ambiente impróprio para os roedores e, dependendo do grau de infestação, opta-se por fazer a desratização (uso de raticidas) com critério e segurança.

 

Apoio a denúncia de maus tratos (226)

De acordo com legislação municipal e federal, expor qualquer animal ao sofrimento físico e emocional é considerado crime ambiental. A partir da abertura de Boletim de Ocorrência pelo denunciante e instaurado processo judicial, o criador, proprietário ou responsável por animais responderá, civil e criminalmente, pelos atos danosos cometidos ou provocados pelos mesmos. O Canil poderá ser acionado para execução de parecer  técnico e apoio às forças policiais.

 

Animais atropelados (159)

São animais sem responsáveis identificados, atropelados em via pública, resgatados pelo Canil Municipal. Após tratamento, vacinação e vermifugação, esses animais são disponibilizados para adoção.

 

Reforço no combate à dengue

Apesar da atribuição da fiscalização de terrenos ter sido absorvida pela Secretaria de Obras desde o segundo semestre do ano passado, as reclamações de terrenos baldios alcançaram 779 reclamações protocoladas na VAS no primeiro semestre de 2015. 

Outro destaque foi o aumento nas solicitações sobre protocolos relacionados ao mosquito Aedes aegypti, como suspeita de criadouros, falta de higiene e outros. Isso ocorreu devido à preocupação da população em relação à epidemia das arboviroses que grande parte do País sofre.

Vale ressaltar que para 2016, a VAS contará com o reforço em sua equipe. Através de concurso público, serão incorporados mais 20 agentes em caráter permanente. A contratação melhorará a eficiência no atendimento das solicitações da população, assim como força importantíssima no controle da dengue, zika e chikungunya.