Tecnologia para avaliar o fígado é utilizada em pacientes

O Serviço de Ambulatórios Especializados de Infectologia “Domingos Alves Meira” (SAEI-DAM), unidade sob gestão da Famesp, recebeu um equipamento não invasivo de avaliação de fibrose hepática (lesão do fígado causada pela agressão dos vírus da Hepatite B e C) que é alternativo ao método tradicional, a biópsia hepática (inserção de agulha e recolhimento de um pequeno pedaço do fígado para análise). Denominado Fibroscan, o aparelho é o primeiro no Brasil que faz uma medição de ondas emitidas entre dois pontos do fígado e, pela sua intensidade, avalia o grau de acometimento do órgão.

Ao todo, 15 pacientes que realizam tratamento no SAEI-DAM passaram pelo novo exame. O aposentado José Ferrari, 73 anos, realizou a avaliação hepática com o novo equipamento pela segunda vez. “É ótimo, é o segundo exame que faço. É colocar o aparelho e, em cinco minutos, está pronto”, explica. Para ele, o exame tradicional é doloroso e ter outra opção é um grande avanço.

Anísio de Arruda Castro, 61 anos, é paciente do SAEI-DAM há sete anos e também realizou a avaliação da fibrose do fígado por meio do Fibroscan (foto). Portador de Hepatite C e com sequelas de queimaduras pelo corpo decorrentes de um acidente, Anísio destaca que o novo método é uma conquista. “Minha última tentativa de biópsia doeu bastante (em razão das queimaduras pelo corpo). Esse exame menos dolorido é bom pra todos, não só pra mim”, ressalta.

Para viabilizar a vinda do Fibrosacan para essa rodada de exames no SAEI-DAM, foi essencial estabelecer uma parceria com a iniciativa privada por meio da indústria farmacêutica Janssen, que patrocinou o encaminhamento do aparelho e de uma equipe médica especializada para manuseio e realização dos testes.

O valor de mercado do Fibroscan é de aproximadamente R$ 700 mil e o aparelho também pode ser utilizado para o acompanhamento de pacientes que passaram por transplante de fígado. A hepatite C, por exemplo, é uma doença que pode acometer o indivíduo novamente, mesmo após a troca do órgão. Para esses casos, a avaliação frequente do fígado é fundamental.

O diretor de assistência do SAEI-DAM, Alexandre Naime Barbosa, disse que a parceria com a indústria farmacêutica é essencial para garantir o acesso dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) a tecnologias de ponta, que sempre são muito caras, sendo que novas rodadas de exames já estão sendo agendadas para o primeiro semestre de 2015. No futuro, segundo o especialista, já há projetos que têm a intenção de viabilizar a aquisição permanente desse aparelho para o SAEI e unidades parceiras.

 

Vantagens do método

. Procedimento não invasivo

. Realizado no consultório

. Jejum de apenas duas horas

. Indolor e sem riscos

. Duração média de cinco minutos

. Baixo custo operacional permitindo repetição de acordo com a indicação médica