Páscoa saudável: Nutricionista dá dicas do que comer no feriado

O feriado de páscoa é de muita reflexão religiosa e espiritual, afinal, é a data mais importante para o cristianismo. Mas, apesar de ser um momento espiritual importante, a gastronomia também é muito explorada no feriado.

Comercialmente falando, criou-se o hábito de comer chocolates, junta-se a isso a ingestão de carnes brancas, tradição em boa parte dos cristãos. O vinho, que simboliza o sangue de cristo, também é consumido de forma considerável. Ainda encontramos casos mais específicos de pessoas que fizeram jejum de um determinado alimento ou bebida no período quaresmal, e, por consequência, acabam tirando o atraso em apenas uma semana.

Mas qual o limite entre o tolerável e o exagero ? Quais os vilões da mesa ? Existe pascoa light ? Para dirimir essas dúvidas, o Acontece Botucatu conversou com a nutricionista do Centro de Metabolismo em Exercício e Nutrição (CeMENutri), Tatiana Figueira. Ela explica os benefícios de um alimento tradicional da mesa na páscoa, o peixe.

“É uma ótima opção, por ser muito nutritivo, rico em proteínas, ômega 3, zinco, vitaminas e minerais. Se a opção escolhida for bacalhau, prefira a versão assada, acompanhada de legumes. Evite frituras ou gratinados, pois acrescentam muitas calorias vazias. Outras sugestões práticas de peixes assados são: Salmão, namorado, truta, merluza, tilápia, cação; Assados, temperados com limão, azeite e pouco sal. Prefira acompanhamentos leves, como arroz integral, batatas ou purê, legumes variados e muitas folhas”, coloca a profissional.

Domingo de páscoa e o chocolate

No domingo de páscoa, acontece a celebração propriamente dita, quando as famílias se reúnem para um grande almoço e trocas de ovos de chocolate, normalmente há muitos excessos alimentares que acabam se prolongando por um tempo.

“Não tem problema nenhum comer chocolate na páscoa, mas não precisa fazer despedidas de chocolate nesse final de semana e engolir um monte de chocolate como se nunca mais pudesse comer. Lembre-se sempre que nenhum alimento por si só vai fazer engordar ou emagrecer.

Os chocolates são calóricos, pois são ricos em gorduras e açúcar, mas o chocolate também é rico em proteínas e minerais como ferro, magnésio, potássio e fósforo, e vitaminas do complexo B. Estudos evidenciam que o cacau presente nos chocolates possui alto teor de flavonoides, antioxidantes que podem auxiliar na redução de riscos de doenças cardiovasculares. Desta forma, o chocolate amargo é a melhor opção”, pontua Tatiana.

Além disso, ela explica que o nosso cérebro recebe uma recompensa importante com o chocolate e aumenta serotonina e dopamina, que trazem prazer e bem-estar. “Vale ressaltar que a maioria das pesquisas foi conduzida com chocolate meio amargo, então, desde que consumido com moderação e que ele não se torne em um vício, o chocolate com 60 a 70% de cacau é bom para a saúde. A inclusão de 30 gramas de chocolate por dia não é considerada exagerada, desde que esteja inserida em uma dieta saudável, rica em frutas, verduras, legumes, carnes, que contenha baixo teor de gordura e açúcar e associado a prática regular de exercício físico”, explica.

Tatiana Figueira chama a atenção dos consumidores mesmo após a páscoa para o tipo de chocolate ideal para consumo. Ela orienta a compra dos que tenham menor teor de gordura saturada. “Leia bem o rótulo para identificar a gordura saturada. Para manter uma alimentação equilibrada, ao comer chocolate, evite o consumo de outros alimentos gordurosos, como frituras e carnes gordas, avelãs, castanhas e amêndoas. Embora mais calóricas, elas tornam os ovos mais saudáveis do ponto de vista nutricional, pois as oleaginosas possuem gorduras insaturadas que são benéficas ao coração. Não vire escravo das calorias. Comer tem de ser prazeroso. Conte sempre com a ajuda de um nutricionista. Mais qualidade nutricional e menos quantidade. Feliz Páscoa”, completa.