Morcegos são foco de estudo em área rural de Botucatu

A Vigilância Ambiental em Saúde e o Departamento de Zoologia do Instituto de Biociências da Unesp de Botucatu iniciaram em maio passado uma pesquisa com morcegos frugívoros, ou seja, que se alimentam de frutos, e que visitam os pomares de atemóia das propriedades rurais do Município. A atemóia é uma fruta híbrida que é obtida através do cruzamento da cherimoia (Annona cherimola, Mill) com a fruta-pinha (Annona squamosa, L.), que pertencem ? família das anonáceas, a mesma da graviola.

Apesar da ciência já conhecer que as anonáceas servem de alimentos a morcegos, pouco se sabe sobre as espécies deste animal consomem estes frutos, seu comportamento alimentar, quantidade de frutos consumidos e possíveis prejuízos ? economia e a saúde pública.

Segundo Valdinei Moraes Campanucci da Silva, supervisor de serviços de saúde ambiental e animal da Vigilância Ambiental em Saúde de Botucatu, os hábitos destes mamíferos voadores na zona rural do Município foram descobertos após atividades de rotina de retirada de um enxame de abelhas em uma propriedade de atemóias.

“Levamos o fato ao Professor Doutor Wilson Uieda, do Departamento de Zoologia, e desde maio estamos fazendo estudos sobre os morcegos que se alimentam destes frutos. Estamos conseguindo fazer imagens destes morcegos comendo a atemóia, algo inédito na literatura. Os produtores relatam, inclusive, a presença de morcegos frugívoros também em pomares de amora, caqui e ameixas, que também serão investigados pela Unesp e VAS”, diz.

{n}Sobre os morcegos{/n}

Existem mais de 1200 espécies de morcegos em todo mundo e apenas três se alimentam de sangue. Os morcegos são os únicos mamíferos capazes de voar e são classificados de acordo com o hábito alimentar.

Na área urbana de Botucatu são encontrados, principalmente, morcegos que se alimentam de insetos, frutas e néctar. Encontrados somente na área rural, os morcegos hematófagos (que se alimentam de sangue) são os principais transmissores da raiva e, por isso, é a única espécie que se tem permissão para ser controlada.

Os morcegos são animais de hábitos noturnos, protegidos por lei, e importantíssimos ao meio ambiente. Mas para se evitar acidentes é importante não tentar jamais capturá-los. A VAS orienta a população que caso um morcego seja encontrado caído não se deve colocar a mão nele, muito menos deixar que animais domésticos entrem em contato com ele.

“Isole o animal com um balde ou caixa de papelão em cima dele e entre em contato com a Vigilância Ambiental pelo telefone 150. Se o morcego entrar voando dentro de casa, apague as luzes e abra as portas e janelas para que ele encontre a saída sozinho”, orienta Campanucci. Em 2012, a VAS de Botucatu registrou 230 solicitações para captura de morcegos.