Médicos paralisam os trabalhos por um dia

Fotos: Luiz Fernando

Foram definidos na noite dessa terça-feira (2) os detalhes da manifestação de paralisação que os médicos do Hospital das Clínicas de Rubião Júnior programaram fazer nesta quarta-feira (3) na Faculdade de Medicina da Unesp de Botucatu. A Polícia Militar (PM) e a Guarda Civil Municipal (GCM) estarão no local para acompanhar o movimento e a Secretaria de Mobilidade Urbana irá controlar o trânsito.

A mobilização começará ? s 9 horas em frente ? entrada do Boulevard do Hospital das Clínicas de Botucatu. A partir das 10 horas haverá um abraço simbólico dos médicos e da sociedade no Hospital das Clínicas de Botucatu no hospital. Neste ato divulgar-se-á uma carta de intenções dos médicos em defesa da saúde pública.

Depois da manifestação na Unesp, os médicos farão uma caminhada pelo centro de Botucatu, iniciando por volta das 13 horas tendo como ponto de partida a Sabesp, na Avenida Pedretti Neto, descendo pela Avenida Dom Lúcio até o Largo da Catedral, retornando pela Rua Dr. Costa Leite e parando na Praça Isabel Arruda, em frente a sede do CRM, para entrega de uma carta contendo os motivos da manifestação.

Vale lembrar que os dados da manifestação foram passados pelo médico Pedro Bonequine Júnior através de um comunicado oficial, onde os médicos do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina de Botucatu se unem ao momento de mobilização nacional liderados pelas entidades médicas (Associação Médica Brasileira, Conselho Federal de Medicina, Federação Nacional dos Médicos e Associação Nacional de Médicos Residentes).

Para isto organizam uma mobilização dos médicos e da sociedade no Hospital das Clínicas de Botucatu em defesa do Serviço Único de Saúde (SUS) e da Medicina de qualidade. “Em razão desta mobilização, comunicamos que o atendimento médico de rotina (ambulatórios, exames, entre outros) no dia 3 de julho será suspenso, mantendo-se apenas os serviços de urgência e emergência”, diz a nota.

Este comunicado foi distribuído para os responsáveis pelo Hospital das Clínicas de Botucatu, da saúde de Botucatu e da região, veículos de imprensa e representantes da sociedade civil. Com isto, espera-se minimizar os transtornos causados aos pacientes e mobilizar a sociedade a apoiar e a participar da mobilização nacional em defesa da saúde pública.

Os pacientes não atendidos nesta data poderão remarcar seu atendimento para breve diretamente com o responsável pelo setor, ou serão comunicados sobre nova data de consulta para o prazo máximo de 2 (dois) meses. Cada serviço organizará uma escala de cobertura médica de forma a garantir nesta data o cuidado para com os pacientes internados nas enfermarias, emergência e unidades de terapia intensiva.