Juju se recupera bem de cirurgia e tumor foi descartado

 

Julinha, de 4 anos, que mobilizou botucatuenses para doação de sangue no começo desta semana, foi operada nesta quarta-feira, 21, e se recupera bem. A boa notícia é que a equipe médica descobriu que Júlia tinha, na verdade, um cavernoma, e não um tumor como se suspeitava.

“Graças a Deus correu tudo bem e quando os médicos fizeram o procedimento descobriram que era um cavernoma e já foi retirado. Ela está na UTI agora só para cumprir protocolo, mas está muito bem”, comemorou a tia, Fernanda Viana.

“A Juju entrou no centro cirúrgico as 8h30 e quando foi 16h20 os médicos já nos deram a boa notícia. Não teve complicações. Acreditamos que tenha sido nosso milagre de Natal”, disse. A tia espera que a garotinha tenha alta da UTI nesta sexta-feira.

O pedido de sangue na última segunda-feira, 19, mobilizou muita gente. Além das doações no hemocentro de Botucatu, algumas pessoas foram visitar a pequena, que adora visitas, na la pediátrica do HC. “Tem muita gente acompanhando. Até uma missionária dá Austrália foi lá visitar ela. Muito obrigado de coração a todos que, de uma forma ou de outra, nos ajudaram”, finalizou Fernanda.

Cavernoma 

Cavernomas são aglomerados de vasos sanguíneos anormais encontrados principalmente no cérebro e medula espinhal. Às vezes, eles são conhecidos como angiomas cavernosos, hemangiomas cavernosos ou malformações cavernosas cerebrais.

Um típico cavernoma parece um pouco com uma framboesa, cheia de sangue que flui lentamente através dos vasos que são como ‘cavernas’. Cavernomas variam em tamanho de poucos milímetros a vários centímetros do outro lado.

Relembre o caso

A pequena Júlia, que mora em Botucatu, tem apenas 4 aninhos, mas vai precisar enfrentar um grande desafio nos próximos dias. No começo do mês de dezembro, ela foi diagnostica com um tumor no cérebro e para que os médicos descubram se é um tumor benigno ou maligno é preciso realizar uma cirurgia que se chama craniotomia, para a biópsia do material. Ela está internada no Hospital das Clínicas de Botucatu desde o dia 6.

Para piorar a situação ela sofre de asma, o que deixa o procedimento ainda mais complexo. “Tentaram fazer a cirurgia na semana passada, só que a Juju piorou no centro cirúrgico por ter asma. Ela parou de ventilar bem e o médico não conseguiu fazer o procedimento”, disse ao Acontece, a tia da criança, Fernanda Viana.

Uma nova tentativa foi marcada para esta terça-feira, 20, mas a família teme que a cirurgia seja cancelada por falta de sangue. “Os médicos já disseram que para fazer  essa cirurgia ela precisa de sangue. O problema é que o hemocentro está com estoque baixo e ela é O+,  mais tem um fenótipo diferente e a estimativa é que a cada 300 doadores mais ou menos 1 só é compatível”, explicou a tia.

“Por favor, quem puder doar sangue o faça em nome de Júlia Beatriz Viana Messias. Ela precisa passar por esse procedimento com urgência. É um pequeno gesto, mas que vai ajudar muito a nossa família. Desde já, muito obrigado”, finalizou Fernanda.