HC de Botucatu testa procedimento de banho no leito descartável

banho-de-leitoA enfermeira do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB) Débora Cristina Paulela abordou em sua dissertação de mestrado o tema “Banho no leito convencional e descartável: estudo microbiológico e de custo”. Orientada pelo Prof. Dr. Alessandro Lia Mondelli, e pela Profa. Dra. Silvia Mangini Bocchi, o estudo avaliou a efetividade dos banhos no leito convencional e descartável no paciente hospitalizado, assim como a estimativa de tempo de execução e custo dos dois métodos.

O banho no leito é um procedimento comum, feito rotineiramente pela equipe de enfermagem, para atender às necessidades de higiene e conforto do paciente que depende da equipe de enfermagem para os cuidados. Geralmente, esses pacientes passam por procedimentos ou apresentam doenças que reduzem sua mobilidade física, surgindo assim à necessidade do banho no leito.

Na técnica de banho no leito convencional, são usados baldes, bacias, água, sabonete, luvas e compressas, o que contribui para aumento das taxas de infecção hospitalar. Já na tecnologia descartável, composta por embalagem individual, que contém oito compressas umedecidas por ingredientes que limpam e hidratam a pele. Por ser de uso único e individual previne infecções e contaminações da pele do paciente, proporcionando assim maior eficácia do procedimento.

Débora explica que o estudo foi realizado com a participação de 40 pacientes internados na Unidade de Acidente Vascular Cerebral do HCFMB. “Os pacientes foram divididos em dois grupos de 20. Na tecnologia descartável de banho no leito, a efetividade foi em 90% dos pacientes, ao contrário dos pacientes submetidos ao banho no leito convencional, que acabaram ficando mais expostos, pois apenas 20% das culturas foram negativas.”, disse.

A análise demonstrou que, quando comparado ao banho no leito convencional, o banho descartável apresenta condições significativamente melhores, como a prevenção de infecções e redução do tempo gasto pela equipe na realização do procedimento. Apesar da evidencia de maior custo no banho descartável é necessário considerar seu impacto sobre custos com tratamentos das infecções hospitalares, bem como gastos com precauções.

O pedido de padronização do banho descartável já foi feito ao HCFMB, e o procedimento já está em fase de testes. “Se aprovado, será implantando primeiramente nas UTIs”, explica Débora.

O trabalho foi apresentado e premiado em 1º lugar no Encontro de Pós Graduação, realizado pela Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB) no mês de maio. “Estou muito feliz com o resultado de um trabalho realizado com muito carinho. Espero sempre poder contribuir e agradeço a todos por todo apoio”, finaliza Débora.

(Assessoria de Imprensa do HC)