FMB inaugura estrutura de pesquisa multiusuário

A Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) inaugurou na manhã desta segunda-feira, 15 de dezembro, o Bloco V de sua Unidade de Pesquisa Experimental (Unipex). A cerimônia contou com a presença da vice-reitora da Unesp, Marilza Vieira Cunha Rudge.

O bloco é composto por salas de uso comum para técnicas como cultura de células e biologia molecular, além da possibilidade de espaços individualizados para técnicas específicas. Será utilizado, por meio de projetos financiados pelas agências de fomento para pesquisa básica e translacional, com equipamentos adquiridos pelos próprios pesquisadores.Durante a solenidade, na qual estavam presentes os diretores da FMB/Unesp: Silvana Artioli Schellini e José Carlos Peraçoli, além do professor emérito Antônio Carlos Cicogna e professora Célia Regina Nogueira, responsáveis pelo projeto do bloco V da Unipex, houve apresentações do violinista Paulo Paschoal.

A diretora da FMB, professora Silvana Schellini, lembrou que a proposta dessa nova estrutura surgiu ainda na gestão de seu antecessor, professor Sérgio Swain Müller, e também defendeu, para justificar a importância da filosofia multiusuário, que, no Brasil, um país em desenvolvimento, não pode haver espaços de pesquisa ociosos. “Fico feliz por nossos pesquisadores terem entendido que essa é uma tendência que trará um importante avanço para nossa pesquisa”, destacou.

Professora Célia Nogueira, uma das idealizadoras do projeto, lembrou que só foi possível obter recursos da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos) graças à qualidade dos currículos dos pesquisadores da FMB. A docente ainda diz acreditar que novos projetos temáticos serão gerados com a convivência diária dos pesquisadores em um espaço de uso comum.

“A estrutura do prédio ficou excelente, mas o sonho realizado vai além das paredes. O Bloco V é composto por excelentes pesquisadores, que trouxeram um parque tecnológico invejável, obtido por meio de verbas da Fapesp (Fundação de Âmparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), além de outros equipamentos adquiridos com recursos da Finep, Fapesp e CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). Mas, o que nos deixa mais feliz neste momento é que uma estrutura multiusuário foi estabelecida, tanto no prédio como nos blocos”, enfatizou.

O professor emérito Antônio Carlos Cicogna observou que o projeto do bloco V da Unipex sempre se baseou em um modelo que privilegiasse o trabalho em grupo. “Não podemos mais trabalhar com a ideia do laboratório exclusivo. Meu desejo é que este seja o início de um trabalho conjunto entre todos os docentes”, reforçou.

 

Qualidade

Para a vice-reitora da Unesp, Marilza Vieira Cunha Rudge, quando todos os docentes, pesquisadores, graduandos, residentes, pós-graduandos se conscientizarem da importância dessa nova estrutura, será possível alcançar o salto de qualidade que a Faculdade de Medicina de Botucatu almeja.

“Esse formato de laboratório multiusuário é o que se vê hoje pelo mundo todo. Acabou a ideia do 'meu laboratório'. Isso é importante por colocar indivíduos com diferentes conhecimentos trabalhando juntos. A ciência hoje é multidisciplinar, mas também é, principalmente, interdisciplinar. Isso, aliado à geração de conhecimento, faz com que a FMB dê um passo fundamental nessa área”, afirma a vice-reitora.


Competitividade

Para professora Marilza, é preciso fazer com que a ciência vire inovação e gere competitividade.“Entendo que um laboratório como este é o local onde podemos fazer isso acontecer. Aí, associado com a Upeclin (Unidade de Pesquisa Clínica da FMB), podemos testar essa inovação e testar em seres humanos. É isso que vai dar futuro para a saúde neste país e para o crescimento da saúde como ciência. Estamos construindo, na FMB, uma rota de ciência. A pergunta que vai nortear uma pesquisa sai dos ambulatórios do HCFMB (onde é feita assistência aos pacientes), passa pela Unipex (Unidade de Pesquisa Experimental), UPEA (Unidade de Pesquisa em Experimentação Animal) e chega na Upeclin. Nós, então, fechamos um ciclo de pesquisa muito forte na FMB”, conclui.

O andar térreo do prédio da Unipex abrigará a secretaria, a parte administrativa dos laboratórios, anfiteatro, salas para reuniões entre os pesquisadores e alunos e os arquivos. O segundo andar será destinado a salas para análises diversas. No terceiro pavimento serão executadas atividades na área de biologia molecular e cultura de células. Já nos dois andares superiores ocorrerão pesquisas pré-clínicas e haverá laboratórios individualizados.​