Fausto Viterbo mostra técnica que corrige paralisia facial

O cirurgião plástico e professor da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp, Fausto Viterbo esteve, recentemente, na Europa onde visitou o Reino Unido e França para explanar sobre correção de paralisia facial através da neurorrafial término-lateral, método desenvolvido por ele, na FMB/Unesp de Botucatu. Além de mostrar o trabalho científico, o especialista ainda obteve como resultados da viagem importantes contatos internacionais que poderão render projetos em parceria com a Unesp.

A “Neurorrafia término-lateral” foi tema da tese de doutorado de Viterbo, defendida em 1992 e orientada pelo professor emérito da FMB, José Carlos de Souza Trindade. A técnica, que consiste na ligação de nervos, está restabelecendo o movimento e sensibilidade em casos graves de lesões no ombro, mãos e face. Pacientes paraplégicos podem se beneficiar com a prevenção do aparecimento de úlceras de decúbito (feridas).

“Descobrimos que os nervos seccionados por uma lesão ou doença podem ser ligados lateralmente a outro nervo (doador), e com isso, recuperar a sensibilidade e o movimento em alguns casos”, esclarece Viterbo. “A grande vantagem é que qualquer nervo pode ser usado como doador, sem causar-lhe prejuízo”, acrescenta o especialista.

Além de disseminar essa descoberta obtida por meio de pesquisas realizadas na FMB/Unesp, o cirurgião salienta que só teve a oportunidade de ministrar aula no congresso no Reino Unido, graças ao intermédio de um colega que realizou intercâmbio.

“Foi muito interessante, pois tudo aconteceu graças ao contato com um antigo colega, o Bernoit Ayestaray. Em 2010, ele passou dois meses na FMB conhecendo nossa estrutura de pesquisa. Veio para Botucatu após ter sido premiado com uma bolsa em dinheiro, por um estudo que desenvolveu, e com a qual poderia passar dois meses em qualquer instituição do mundo para realizar um aprimoramento na área da cirurgia plástica. E, por conhecer nossa tradição nessa área, optou pela FMB”, contou, orgulhoso, o professor.

Após participar do evento em Brighton, Viterbo viajou para a França, onde esteve no Groupe Hospitalier Pitié-Salpêtrière, em Paris, também através de contatos feitos pelo colega Bernoit. Nessa instituição, fez uma apresentação mais completa sobre sua técnica para correção de paralisia facial utilizando a neurorrafia termino-lateral.

Para otimizar ainda mais a viagem, dessa vez a convite de outro contato internacional – Jean-Paul Meningaud (chefe do Serviço de Cirurgia Plástica da unidade) – o professor da FMB aproveitou para visitar o Hospital Henri Mondor, onde trabalha a equipe com mais experiência em transplantes de face no mundo. Sob o comando de Meningaud, o grupo já realizou oito transplantes.

Viterbo teve a oportunidade de sugerir a eles técnicas para correção de paralisia facial, que deverão ser implantadas na rotina do serviço. “Foi uma grande honra para mim poder compartilhar com profissionais tão experientes e de renome internacional técnicas desenvolvidas em nossa faculdade e que servem como referência para o tratamento de paralisia facial no mundo todo”, completou.

Para o professor, no entanto, além de divulgar sua técnica, o que mais valeu foi ter conseguido fazer contatos importantes com especialistas que são referência em sua área de atuação. “Isso mostra o quanto importante é fazermos contato com profissionais estrangeiros. Devemos estimular os intercâmbios e preservar esse relacionamento, pois esses contatos podem abrir portas importantes para divulgarmos aquilo que produzimos em nossa escola. Isso, além de construirmos parcerias que podem render bons projetos em conjunto”, declarou.