Definida empresa que reformará Hospital Sorocabana

De acordo com informações passadas pela Secretaria de Comunicação, a Comissão Permanente de Licitações (Copel) da Prefeitura de Botucatu acaba de anunciar a empresa vencedora da Tomada de Preço 003/12 realizada com a finalidade de executar a reforma e ampliação do Pronto Socorro Pediátrico e construção da cabine de força do antigo Hospital Sorocabana, na Vila dos Lavradores.

A obra ficará a cargo da Mulotto Construções Civis Ltda. declarada vencedora do processo licitatório com a proposta global de R$ 895.000,00, representando uma economia de pouco mais de R$ 400 mil em relação ao valor orçado pela administração. Os trabalhos no local deverão ser iniciados no mês de abril. O prazo de conclusão estipulado em contrato é de 180 dias.

Para reforço das instalações elétricas será instalada cabine de medição e transformação com entrada subterrânea, cinco boxes e uma sala de painéis, além de novos transformadores com maior potência. As obras foram divididas em 13 fases: serviços preliminares, fundações/infraestrutura, superestrutura, alvenaria/divisórias, estruturas metálicas, cobertura, esquadrias, revestimentos, vidros, instalações hidráulicas, instalações elétricas, pintura e serviços complementares.

{n}Serviços e gestão {/n}

Em janeiro deste ano, a Prefeitura de Botucatu e a Famesp (Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar) assinaram termo de cooperação para elaboração do projeto técnico que irá definir quais serviços serão prestados pelo hospital, sua dimensão, quantos leitos, as áreas prioritariamente atendidas, entre outros detalhes.

No mesmo evento, os arquitetos Ana Terruel e Josimar Carvalho, da área de projetos da Unesp, apresentaram as maquetes eletrônicas propostas para o novo PS Infantil, que funcionará nas dependências que no passado foram ocupadas pelo Pronto-Atendimento da Unimed.

Serão construídos sete consultórios; entradas independentes para os casos de emergência e sala de espera para abrigar confortavelmente 60 pessoas; salas de procedimentos/enfermagem, observação e Raio-X; corredores distintos para funcionários e pacientes (anti-sala); quartos para médicos plantonistas; cozinha; e sanitários adaptados.

Mas o antigo Hospital Sorocabana não irá abrigar apenas um Pronto-Socorro Infantil. No andar superior, outros serviços, gradativamente, serão reabertos ? população. “A parte superior do prédio apresenta boas condições, tanto é que os serviços de oftalmologia, fisioterapia e raio-x continuam funcionando. Assim, a ideia é que progressivamente coloquemos em funcionamento todo o hospital, inclusive com atendimento clínico e cirúrgico a adultos”, declarou na oportunidade o vice-prefeito e secretário municipal da Saúde, Antonio Luiz Caldas Júnior.

{n}Histórico {/n}

A grave crise financeira da Associação Beneficente dos Hospitais Sorocabana (ABHS), com sede em São Paulo, comprometeu o atendimento prestado pelo Hospital Sorocabana de Botucatu. Apesar de um maior investimento feito pela Prefeitura, que de 2009 a 2011 aumentou de R$ 85 mil para R$ 240 mil os repasses mensais de custeio do setor de pronto-socorro, a unidade hospitalar foi obrigada a fechar e demitir funcionários.

Mesmo sendo de origem privada, o Hospital Sorocabana tinha um papel fundamental na organização do Sistema Público de Saúde do Município e também era referência a outras cidades da região que se valiam de seus serviços. Por este motivo, a Prefeitura de Botucatu ajuizou ação de desapropriação e adquiriu o imóvel para o Município ao custo de R$ 1.100.000,00. A posse obtida em julho de 2011, também garantiu aos funcionários demitidos o recebimento das verbas rescisórias.

Em meio a esse processo, a Prefeitura articulou em conversas com a Famesp e Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB) o melhor modelo de gestão e possíveis adaptações para a reabertura do Sorocabana, que tem pouco mais de 60 anos de existência.

“Mais do que o prédio, o legado que deixaremos é a capacidade de unir os protagonistas na área da saúde em torno das mesmas causas. Não podemos queimar etapas para não prejudicarmos todo um projeto que foi pensado de maneira responsável. Mas só vamos relaxar quando esse hospital estiver de portas abertas ? população”, ressalta o prefeito João Cury Neto.