Centro para Dependentes Químicos é abençoado

Fotos: Valéria Cuter

Na manhã desta terça-feira (3), como parte do cronograma que antecede a inauguração do Centro de Recuperação de Dependentes Químicos construído em área próxima ao Hospital Psiquiátrico “Cantídio de Moura Campos”, no Jardim Aeroporto, com a presença do governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, foi feito uma vistoria técnica para que o complexo possa entrar em funcionamento.

Esteve também presente nessa vistoria o padre Emerson Anizi, que abençoou os departamentos do Centro, assim como os funcionários que lá estarão prestando serviços. O Centro será inaugurado na manhã desta quinta-feira e o cerimonial deverá contar com a presença de autoridades de toda região.

Segundo a responsável pela coordenação Marly Tieghi, o engajamento da população, empresas, instituições de segurança e diferentes entidades da Cidade com relação a inauguração do complexo foi bastante grande. “Não vou citar nomes para não cometer a injustiça de esquecer alguém, mas posso dizer que para cada livro que pedimos, recebemos uma biblioteca”, comparou.

Vale lembrar que a unidade em Botucatu será a primeira do gênero no Estado de São Paulo e terá capacidade para manter 74 pessoas em regime de internação, sendo 42 homens, 20 mulheres e 12 adolescentes em pavilhões distintos. E o critério para a internação irá depender da gravidade de cada paciente que irá passar por uma avaliação médica, antes de ser encaminhado ? Central de Vagas. Um paciente grave é aquele que não tem mais controle sobre seu cérebro e não consegue mais ficar sem a ingestão do álcool ou de outras drogas como crack e cocaína.

A previsão é que a procura deverá ser maior do que a oferta e, por isso, será necessário uma avaliação criteriosa de cada caso. É como o atendimento em um hospital normal, onde a prioridade é dada aos pacientes de maior gravidade e haverá critério para ? internação. Todo atendimento será feito através do Sistema Único de Saúde (SUS).

Quando o projeto foi aprovado o prefeito João Cury argumentou que Botucatu poderá se transformar em um pólo de atendimento a dependentes químicos, contando com as vagas em Botucatu e outras 70 em Bauru. “Só quem tem um problema desses na família sabe o isso significa”, salientou Cury.

O projeto foi referendado pelo então secretário Estadual de Saúde, Giovanni Guido Cerri, com participação do prefeito João Cury Neto, a professora da Faculdade de Medicina, Florence Kler Corrêa; a diretora do Hospital Cantídio de Moura Campos Marly Tieghi; a diretora do Hospital das Clínicas Silvana Artioli Schellini, o diretor da Faculdade de Medicina, Sérgio Muller, o ex-deputado estadual Milton Flávio, entre outros.