Centro de Saúde Escola faz balanço de 40 anos de atividades

Após décadas de muita luta e pioneirismo, o Centro de Saúde Escola (CSE) “Achilles Luciano Dellevedove” – Unidade Auxiliar da Unesp desde outubro de 2008 – e vinculado ? Faculdade de Medicina (Câmpus de Botucatu) chegou, em dezembro de 2012, aos 40 anos com boas perspectivas de crescimento. Consolidado como um dos principais palcos de ensino para diferentes profissionais da saúde, o serviço, que se divide em dois endereços, tem ainda outra fundamental função: é responsável pelo atendimento primário de aproximadamente 18% da população de Botucatu (cerca de 28 mil habitantes).

Hoje, seis departamentos da Faculdade de Medicina desenvolvem atividades no CSE: Saúde Pública, Enfermagem, Pediatria, Clínica Médica, Ginecologia e Obstetrícia, Neurologia, Psicologia e Psiquiatria, Educação, além da Nutrição do Instituto de Biociências de Botucatu. São oferecidos atendimentos em diversas modalidades de atenção: consultas individuais, grupos terapêuticos, atividades de educação em saúde, busca ativa, vigilância em saúde, visitas domiciliares, atividades em sala de espera, aconselhamento, coleta de exames, vacinação, pequenos procedimentos cirúrgicos, procedimentos odontológicos, entre outros.

Entre os principais desafios para os próximos anos está a estruturação de seu subquadro, defasado pela não reposição de aposentadorias nos últimos anos. A unidade, fundada em 1972 como serviço experimental, foi criada com a proposta de contribuir com a reformulação da estrutura de saúde do Estado de São Paulo, quando substituiu seu modelo vertical de organização do sistema para outro horizontal, mediante a criação dos centros de saúde.

O Centro de Saúde Escola foi criado através de convênio entre a antiga Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu (FCMBB) e a Secretaria de Estado da Saúde (SES). Formulado pelo Departamento de Saúde Pública como uma unidade de integração docente-assistencial, tem papel suplementar de desenvolvimento de investigação sobre modelos experimentais de organização de serviços de saúde.

Na opinião do atual diretor, Antônio Pithon Cyrino, desde seus primórdios, o CSE inovou ao incorporar em sua prática os princípios do que viria a ser o Sistema Único de Saúde (SUS) por seu foco na anteção integral ? saúde da população.

Cyrino também salienta que o Centro de Saúde Escola foi extremamente inovador, a ponto de o primeiro diretor da unidade, Eurivaldo Sampaio de Almeida, ter sido convidado para implantar o modelo da “Programação em Saúde” iniciado em Botucatu, em todo estado de São Paulo. Desde então este tem sido um dos trabalhos relevantes do CSE: a produção de modelos de atenção, orientados para o nível primária ? saúde.

Em seus primeiros anos, os funcionários da unidade eram contratados pela Unesp, mas os recursos para manutenção das atividades vinham do Governo do Estado de São Paulo. Na década de 1980, os 70 trabalhadores em atividade foram incorporados pela universidade. Até 2012, 43 pessoas se aposentaram e não foram repostas. No final de 2014, outros 18 encerrarão suas carreiras.

Atualmente, são 89 servidores, sendo 32 vinculados ? Unesp; 46 contratados pela Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar (Famesp), de Botucatu; 4 da Prefeitura Municipal e 4 da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo.

“Acredito que o CSE, agora, conseguirá definir seu subquadro com reposição de pessoal. Precisamos de recursos humanos para suprir as demandas de ensino e pesquisa. Desde 2002, o Centro de Saúde Escola é um Centros Colaboradores em Atenção Primária ? Saúde do SUS no Estado de São Paulo”, salienta o diretor.

{n}Ensino{/n}

O Centro de Saúde Escola recebe aproximadamente 1.300 alunos de graduação e pós-graduação anualmente, tanto da FM como do Instituto de Biociências – também do Câmpus da Unesp em Botucatu. São desenvolvidos integralmente na unidade 4 programas de aprimoramento profissional: Psicologia, Enfermagem, Nutrição e Serviço Social. O próximo passo é criar uma Residência Multiprofissional em Saúde, nas mesmas especialidades.

{n}Assistência{/n}

Somente em 2011, foram realizadas 70 mil consultas médicas; 25 mil atendimentos de outros profissionais de nível superior e 22 mil atendimentos odontológicos. Nesse período, 163 mil pacientes foram atendidos nas farmácias do CSE em suas duas unidades.

{n}Pesquisa{/n}

O CSE tem desenvolvido diversos modelos de atenção primária ? saúde ao longo e sua história. No ano passado, foram 46 publicações científicas. “Nosso objetivo é fortalecer ainda mais nossa área de pesquisa. Temos a vantagem de possuir uma base populacional para nossos estudos, além de nossos pacientes morarem próximos do serviço”, observa Cyrino.

{n}Humanização{/n}

Outro ponto em constante evolução é o desenvolvimento de políticas de humanização do atendimento, em consonância com as políticas nacionais. “Preocupamos-nos em oferecer espaços de trabalho adequados, com arquitetura necessária para uma assistência de qualidade. Nos últimos anos temos investido na educação permanente de nossos profissionais para que eles possam cuidar bem de nossos pacientes”, conta o diretor do CSE.

Fonte: Leandro Rocha
Assessoria de Comunicação e Imprensa
Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp