Campanha contra hanseníase será iniciada em Botucatu

Tem início nesta quinta-feira (15), Feriado Nacional da Proclamação da República, a Campanha Anual de Combate ? Hanseníase, promovida pelo Ministério da Saúde em parceria com os poderes públicos municipais. Ela segue até o dia 30 de novembro. No período, serão realizados esforços para diagnosticar novos casos e examinar pessoas que possam ter adquirido a doença por meio de contato.

Em paralelo, ações de mobilização junto ? população deverão promover maior conscientização sobre a hanseníase, com o objetivo de eliminar o preconceito e estigma relacionados ? doença. Materiais informativos sobre prevenção e tratamento serão distribuídos em unidades de saúde, igrejas, centros comunitários, escolas e comércio.

A Secretaria Municipal de Saúde de Botucatu orienta toda a população a procurar pela Unidade de Saúde mais próxima de sua casa, de segunda ? sexta-feira, entre 9 e 17 horas. A mesma informa que, devido ao feriado, a unidades de saúde não funcionarão nesta quinta (15) e sexta (16).

Em 2011, seis casos novos foram registrados em Botucatu: quatro em homens e dois em mulheres. Já em 2012, a quantidade registrada corresponde a cinco novos casos, sendo quatro masculinos e um feminino.

No Brasil, a meta do Plano de Eliminação da Hanseníase, estabelecido em 2011, é que aja menos de um caso da doença para cada grupo de dez mil pessoas até o ano de 2015. Para tanto, o País tem mantido a queda na incidência da hanseníase dentro da população brasileira.

No período 2010-2011, o coeficiente de detecção de casos novos caiu 15%. Entre menores de 15 anos, este percentual baixou 11%. De 34.894 casos da doença registrados em 2010, o número caiu para 30.298 no ano de 2011, o que representa um coeficiente de aproximadamente 15 novos casos por 100 mil habitantes. Destes, 2.192 foram encontrados em menores de 15 anos de idade.

O SUS (Sistema Único de Saúde) tem trabalhado constantemente para alcançar as metas de redução de 26,9% do coeficiente de detecção da hanseníase em menores de 15 anos, aumento do percentual de cura em 90%, e o exame de 80% dos contatos intradomiciliares dos casos novos da doença.

O controle da hanseníase é baseado no diagnóstico precoce, tratamento e cura. Segundo Camila Baptista, coordenadora da Vigilância Epidemiológica de Botucatu, é importante mobilizar a população, pois quanto antes a enfermidade for detectada, maiores as chances de cura total.

“A maioria das pessoas acaba não dando a importância devida para essas manchas que aparecem de repente no corpo e, quando procuram a Unidade de Saúde, a doença já se encontra em um estágio avançado, sendo menores as possibilidades de cura total da área afetada”, explica.

{n}Sobre a Hanseníase{/n}

A hanseníase é uma doença infecciosa e atinge a pele e os nervos dos braços, mãos, pernas, pés, rosto, orelhas, olhos e nariz. O tempo entre o contágio e o aparecimento dos sintomas é longo e varia de dois a cinco anos.

É importante que, ao perceber algum sinal, a pessoa com suspeita de hanseníase não se automedique e procure imediatamente um serviço de saúde.
É preciso observar manchas esbranquiçadas, avermelhadas ou amarronzadas em qualquer parte do corpo e em áreas da pele. São manchas que não causam coceira, mas que produzem a sensação de formigamento, ficando dormentes, com diminuição ou ausência de dor, da sensibilidade ao calor, ao frio e ao toque.

{n}Tratamento{/n}

Hanseníase têm tratamento e cura. A doença pode causar incapacidades físicas, evitadas com o diagnóstico precoce e o tratamento imediato, disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS). O tratamento, gratuito e eficaz pode durar de seis a doze meses.

Os medicamentos devem ser tomados todos os dias em casa e uma vez por mês no serviço de saúde. Também fazem parte do tratamento exercícios para prevenir as incapacidades físicas, além de orientações da equipe de saúde.