Botucatu já planeja vacinação contra a raiva

A Vigilância Ambiental em Saúde (VAS) em parceria com a Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ), do campus da Unesp de Botucatu iniciou as reuniões para definir os preparativos da campanha de vacinação de cães e gatos contra a raiva que será realizada em setembro deste ano.

O Supervisor de Serviços de Saúde Ambiental e Animal, Valdinei Moraes Campanucci da Silva explica que o planejamento antecipado da campanha visa oferecer aos proprietários de cães e gatos maior disponibilidade para levarem seus animais para serem vacinados.“A forma como os postos serão distribuídos pelo Município também tem por objetivo permitir que os proprietários de animais nunca estejam a mais de 500 metros de distância de um posto de vacinação”, esclarece o supervisor.

Ele ainda informa que as equipes da VAS e FMVZ estarão visitando nos próximos dias as regiões da cidade para definir novos postos de vacinação que comtemplarão os novos bairros de Botucatu. “Há trinta anos não há relato de casos de raiva em cães ou gatos em nosso município, por isso manter os animais vacinados é uma das formas de controle da doença”, destaca, lembrando que a campanha é dividida em duas etapas. A primeira é a vacinação urbana que será realizada em seis dias e a segunda é a rural que ocorre no período de sete dias.

Em 2012 a 42ª Campanha de vacinação contra a raiva de cães e gatos ocorreu nos finais de semana durante o mês de maio e, se estendeu, por dois finais de semana de junho. Segundo a VAS foram imunizados durante a Campanha 23.450 animais entre cães e gatos. A meta de vacinação para 2013 será definida pelo Instituto Pasteur e repassada para os municípios.

{n}Sobre a Raiva{/n}

A raiva é uma doença infecciosa, aguda e mortal, transmitida aos mamíferos, inclusive o homem, através da mordida, arranhão ou lambedura de cães, gatos ou morcegos contaminados pelo vírus rábico. A doença pode também acometer os animais herbívoros, como o boi, o cavalo, a ovelha, a cabra, sendo que nos ruminantes como os bovinos, os sintomas são predominantemente paralíticos, e o transmissor para esses animais quase sempre é o morcego hematófago, da espécie Desmodus rotundus, no Brasil.