Ampliada lista de remédios do programa “Dose em Casa”

O programa Dose em Casa, ação de caráter continuada do programa Botucatu com Mais Saúde, aumentou sua demanda. Através do programa pessoas acamadas, deficientes físicos, idosos com 60 anos ou mais de idade clinicamente controlados (iabetes e hipertensão) e acompanhados em serviços de saúde, recebem remédios e insumos de graça, todo mês, sem precisar sair de casa. 

O cuidador do paciente também pode se inscrever no programa, para que não precise deslocar-se até a unidade de saúde e deixar o paciente sem assistência. Também fazem parte do programa a entrega de medicamentos nas Residências Terapêuticas (RPs), Casa Pia São Vicente de Paulo (Asilo) e as residências do Hospital Cantídio de Moura Campos.

Lançado em maio de 2012, o Dose em Casa beneficiava inicialmente 62 pacientes da área de abrangência da Unidade de Saúde do Parque Marajoara, região Oeste da Cidade. Na época havia disponível 49 medicamentos e dois tipos de insumos: lancetas e fitas para hemoglicoteste – avaliação da taxa de açúcar no sangue. Hoje atende mais 1 mil pacientes. A lista de medicamentos a disposição também subiu para 81. Entre eles estão anti-inflamatórios, anti-hipertensivos, analgésicos e antitérmicos, anti-glicêmicos orais, vitaminas, protetores gástricos, bronco dilatadores, antialérgicos, corticoides, entre outros. 

Os insumos de enfermagem agora são 16 itens como luvas, agulhas, soro fisiológico, e até frascos de nutrição enteral, uma alternativa ao paciente para ingestão de alimentos através de sondas. Ainda foi incluída a distribuição de fraldas geriátricas e insulinas aos diabéticos.

 

Logística

 

Denise Bissacot, farmacêutica responsável pelo Dose em Casa, conta que o serviço começa com a chegada da receita do paciente que vem das unidades de saúde. “Os medicamentos são colocados em caixas individuais, onde tem o nome de cada paciente e endereço. E dentro dessa caixa vão os medicamentos separados por tipos de classes terapêuticas, com a quantidade, e vai também uma prescrição de receita que transcrevemos para que o paciente tenha a orientação de como ele deve tomar aquele princípio ativo”, explica.

 

Já o secretário municipal de Saúde, Claudio Lucas Miranda, enaltece a maneira inovadora proposta pelo programa de facilitar a vida e acompanhar a evolução do paciente. “Além dos medicamentos, nós temos fraldas e suplementos alimentares. Tudo isso o programa Dose em Casa consegue levar com a comodidade e o conforto na porta das casas de nossos cidadãos. Isso sem dúvida foi um grande avanço na assistência farmacêutica do nosso Município e com certeza vamos ampliar ainda mais este programa. É um jeito de melhorar o acesso, tratamento e acompanhamento dos pacientes, que ganham em qualidade de vida”, afirma.

Para o prefeito de Botucatu, João Cury Neto, o Dose em Casa é resultado de planejamento e persistência da equipe da Secretaria de Saúde. “Nós mostramos que ao contrário que muita gente dizia que era difícil, impossível, uma logística complicada, não é. Basta ter boa vontade. Se há 50 anos o leiteiro entregava leite na casa das pessoas, o jornaleiro entregava jornal na casa das pessoas, será que não somos capazes de entregar medicamento para uma pessoa acamada ou idosa pra que ela não tenha que ficar indo no posto todo mês pra buscar o medicamento? Essa era a pergunta que nos fazíamos”, comenta. 

“Outra coisa que identificamos é que as pessoas, por medo [de faltar remédio] ou de ir no posto, elas pediam mais medicamento do que precisavam. Então este programa normalizou a quantidade do medicamento disponível. Hoje a gente dá o que a pessoa precisa. Nem mais, nem menos. Por isso que este é um programa inovador que está servindo de modelo a outras cidades”, complementa Cury.

Prefeito realça que “com a ampliação do número de medicamentos e pessoas atendidas pelo Dose em Casa, a Secretaria de Saúde de Botucatu também aumentou os investimentos: de R$ 36,3 mil para R$ 196,9 mil, entre o primeiro e segundo ano de implantação da iniciativa”.