Trio é preso por crimes de receptação e contrabando

A Polícia Militar Rodoviária, durante fiscalização pela SP-280, Rodovia Presidente Castello Branco, na altura do km 198, região de Pardinho, com apoio do radar inteligente, abordou o veículo Fiat/Pálio Week de cor prata com placas de Campinas/SP e através da consulta foi constatado que o veículo possuía uma queixa de estelionato, então os integrantes do Tático Ostensivo Rodoviário (TOR) deram voz de prisão ao condutor do automóvel por receptação.

Durante busca no veículo localizaram certa quantia em dinheiro nos pertences do motorista, sendo que ele teria confessado que era contrabandista e estava indo ao Paraguai comprar mercadorias para revender em Campinas. No veículo ainda estavam a esposa do condutor e mais uma amiga, que também alegaram os mesmos motivos da viagem.

Todos foram conduzidos a Delegacia de Polícia Civil de Botucatu, onde os policiais do TOR solicitaram o apoio de uma Guarda Civil Municipal (GCM) para que fosse feita uma busca pessoal nas mulheres. Porém, elas se adiantaram e retiraram o dinheiro que estava oculto em suas vestes íntimas.

Ao todo, os policiais do TOR localizaram R$ 26.109,00 e U$ 9.900,00 dólares (que em reais chegaria a aproximados R$ 24.000,00), totalizando cerca de R$ 50 mil em dinheiro. Além do crime de receptação, os três ocupantes do carro foram presos em flagrante por lavagem de dinheiro, crime da Lei 9613/98 (dos crimes de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores) devido ? s características da abordagem, sendo que foi constatado que os abordados pelo TOR eram contrabandistas, segundo o relatório policial.

Em contato com a vítima do estelionato referente ao automóvel, este informou aos policiais rodoviários que foram financiados três veículos no seu nome sem seu consentimento, provavelmente por criminoso que se utilizou dos seus dados pessoais. O preso A. F. de L. de 35 anos foi encaminhado para a Cadeia Pública de Itatinga e as mulheres R. R. F. de 39 anos e M. R. de M. de 34 anos foram encaminhadas para a Cadeia Pública de Porangaba. Os nomes completos dos envolvidos não foram fornecidos ? reportagem.