TOR flagra uso de documento falso na SP-280

Durante fiscalização pela praça de pedágio de Itatinga, na SP-280  Rodovia Presidente Castello Branco, policiais militares rodoviários do Tático Ostensivo Rodoviário (TOR), abordaram o veículo GM/Omega CD com placas de São Paulo, pois seu condutor aparentava certo nervosismo com a presença dos policiais. Ao serem solicitados seus documentos, o condutor apresentou aos policiais a sua documentação e a do veículo. porém ao observarem detalhadamente tais documentos, os militares perceberam se tratarem de documentos falsos.

Após efetuarem consultas, ficou constatado que a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) do condutor estava com o exame médico vencido e suspensa e o veículo possuía vários débitos referentes ao Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores de Veículos Automotivos (IPVA;  Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT);  entre outros. O condutor foi preso em flagrante por  uso de documento falso e confessou tal crime, sendo que  já possuía algumas passagens criminais. 

No veículo ainda estava a filha do condutor, de 8 anos de idade e mais três passageiros que estavam de carona, sendo que estes últimos relataram aos policiais do TOR que após procura em redes sociais, em perfis que oferecem carona, encontraram o condutor do veículo que oferecia a carona até São Paulo e combinaram a viagem pagando um valor mais baixo que a de uma passagem de ônibus e se encontraram num Posto de combustíveis em Bauru. Esses  “caronas” foram liberados e a menor foi liberada para um responsável que se apresentou na Delegacia, enquanto o condutor F. P. L, de 33 anos ( não foi fornecido o nome completo)  foi preso em flagrante.

A Polícia Militar Rodoviária orienta aos cidadãos quanto a essa novidade de "Carona" combinada pelas redes sociais, pois nesse caso, certamente os caronistas estavam sendo usados para que o veículo passasse despercebido numa fiscalização, além do fato de que em situação diversa, como a localização de armas, drogas ou outro material ilícito localizado no carro, todos poderiam ser conduzidos até a Delegacia para esclarecimentos e pior, o marginal ainda poderia tentar se esquivar da prisão acusando os caronas.