TCE não aprova uso de celulares na Câmara de Itatinga

O prefeito de Itatinga, Ailton Faria, não se mostra preocupado com o fato do Tribunal de Contas do Estado (TCE) desaprovar as contas da Câmara Municipal da cidade, no ano de 2008, quando era presidente do Legislativo. Em razão das contas desaprovadas ele foi intimado a devolver R$ 45 mil aos cofres públicos.

“Não temos absolutamente nada a esconder sobre nossa administração quando exercemos a presidência da Câmara. Houve sim essa manifestação do TCE, que não aprovou as contas da Câmara Municipal, na sua integridade, mas nós entramos com o recurso e estamos provando que não houve irregularidades”, comentou o prefeito.

Ele alega que para o processo ser encerrado basta que o recurso sobre o uso de telefones celulares durante a gestão da vereança, especificamente, no ano de 2008, seja aceito. “O TCE alegou que a Câmara de Itatinga teria que devolver R$ 45 mil. Depois do julgamento dos processos, ficou pendente somente um valor de R$ 15 mil, referente aos gastos com telefones celulares na Câmara”, comentou Faria.

Ele revela que, na ocasião, havia na Câmara Municipal 15 aparelhos de telefones celulares para uso dos vereadores. Isso significa, salientou o prefeito, que cada celular usado durante o ano gastou menos de mil reais e o uso era restrito ? função do trabalho parlamentar. Segundo ele, era, terminantemente proibido fazer qualquer ligação de cunho pessoal.

“Então, não entendo porque as contas não foram aprovadas. Minha determinação era para restringir o uso dos celulares e isso foi feito. Por isso, os R$ 15 mil gastos durante 365 dias do ano com 15 telefones em uso, não me parece uma quantia exagerada. Por isso entendemos que o Tribunal vai rever essa posição e entender que os gastos não foram exagerados e ficaram dentro daquilo que consideramos razoável”, frisou Ailton Faria.

Ele tem a convicção de que seu recurso será acatado. “Nossa assessoria jurídica vem trabalhando para que esse processo seja encerrado. Isso nos causa um desgaste político desnecessário, pois sei que nada fizemos de errado, como está sendo comprovado. O caso dos telefones deverá estar definido a qualquer momento e tenho a certeza que o resultado será favorável a nós, pois como já disse, nada temos a esconder e nada fizemos de errado”, concluiu o prefeito.